segunda-feira , 15 outubro 2018

Alunos do Colégio Estadual que moram em zonas rurais podem ficar sem ir para escola por tempo indeterminado

Fotos: Manuela Escalla
Fotos: Manuela Escalla

Uma ação de fiscalização que está sendo realizada pelo Detro (Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro), está causando transtornos aos veículos contratados para levar  estudantes das zonas rurais até o Colégio Estadual de São Fidélis.

Todo esse problema é em razão dos fiscais estarem parando e multando os motoristas que conduzem os veículos escolares,que não estão seguindo os seus padrões de exigências. O problema é que os maiores prejudicados, são os alunos, que não conseguem chegar a escola.

Segundo um dos cerca de 30 motoristas, que fazem a linha de Cambiasca, Boa Esperaça e Colônia, por exemplo, identificado como Danilo, para não ser repreendido pelo Detro é necessário ser registrado, mas para isso precisam cumprir as exigências, que determina principalmente, que cada empresa tenha no mínimo dez veículos em sua frota e que tenha um capital de 450 mil, sendo que em uma cidade pequena como São Fidélis, ninguém tem condições para isso.

“Ganhamos pouco e na Segunda-feira recebi uma multa de três mil reais, e nessas condições de repreensão não tínhamos como levar os alunos pra casa. Nosso transporte é de qualidade, só não temos o registro do Detro”, contou o motorista.

A direção do Colégio Estadual recebeu nossa equipe, e o responsável pelo atendimento ao transporte, Manoel Carlos, e a diretora do Colégio Estadual de São Fidélis, Maria Helena, nos concedeu uma entrevista e disseram que estão tentando um contato no Rio de Janeiro para analisar o que pode ser feito sobre esta situação. “As exigências de qualidade para um bom atendimento de transporte ao aluno, de acordo com os padrões de alcance deste município, estão sendo feitos.” Afirmou a diretora.

O responsável pelo transporte terminou dizendo, que pelos alunos terem ficado ontem até tarde no colégio, devido ao acaso nas fiscalizações, a escola ofereceu alimentos para os estudantes e também aos motoristas.

 


Mais do SFn