segunda-feira , 16 dezembro 2019

Ampla é classificada como a pior distribuidora de energia do sudeste

PÁDUA AMPLA 2
Fotos: Vinnicius Cremonez

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) divulgou, em seu portal, o ranking das concessionárias de distribuição de energia elétrica do país em relação à qualidade do serviço prestado em 2014. O ranking avaliou todas as concessionárias do país para o período de janeiro a dezembro de 2014 e foi dividido em dois grupos, de acordo com o porte da empresa. São 36 concessionárias de distribuição consideradas de grande porte, com o mercado faturado anual de energia maior que 1 TWh (terawatt hora), e 27 concessionárias consideradas de menor porte, com o mercado faturado anual menor ou igual a 1 TWh.

A avaliação é elaborada com base no Desempenho Global de Continuidade (DGC), formado a partir da comparação dos valores apurados da Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora que indica o número de horas que, em média, um consumidor fica sem energia elétrica durante um período, geralmente o mês ou o ano, e Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) indica quantas vezes, em média, houve interrupção no fornecimento de energia, num determinado período.

ampla 1A Ampla, concessionária responsável pela distribuição nos municípios do interior do estado do Rio de Janeiro, ficou em 32º lugar, sendo classificada pela ANEEL, como a pior empresa do ramo da região sudeste do Brasil.

Em nota a Ampla informou que, em 2014, reforçou seu plano para melhoria da qualidade do serviço, e que aumentou em 22,2% os investimentos no ano passado, que alcançaram R$ 565,34 milhões, direcionados principalmente em obras na rede de distribuição,  ações de combate ao furto de energia e conexão de novos clientes.

A distribuidora vai ampliar mais os investimentos este ano para automação da rede elétrica., instalando novos equipamentos que amenizam possíveis interrupções e substituições da fiação comum por compacta, mais resistente. Ainda de acordo com a nota, a empresa reforçou o número de equipes de emergência e descentralizou o atendimento para os polos regionais, agilizando o atendimento aos clientes.

safesg

Mais do SFn