Aneel aprova reajuste nas tarifas da Enel; empresa atende 66 municípios do RJ O reajuste será, em média, de 9,70% e passa a vigorar a partir do dia 15 de março

O reajuste será, em média, de 9,70% e passa a vigorar a partir do dia 15 de março

Fotos: SF Notícias

Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (12) o reajuste tarifário da Enel Distribuição Rio. O reajuste para consumidores de baixa tensão, em sua maioria clientes residenciais, foi de 9,72%, e para os clientes de média e alta tensão, em geral indústrias e grandes comércios, o índice aprovado foi de 9,65%. O reajuste será, em média, de 9,70% e passa a vigorar a partir do dia 15 de março.

Os principais fatores que influenciaram este aumento foram compra de energia e encargos setoriais. Esses fatores, que são definidos por lei e regulamentação, que não são gerenciados pela companhia, representam juntos 4,76% do reajuste tarifário deste ano. Do reajuste total, a parcela que cabe a atividade de distribuição de energia correspondeu a apenas 0,69%.

A compra de energia foi impactada pelos elevados custos de geração de energia no Brasil – uma vez que os reservatórios das hidrelétricas continuam baixos -, além da elevação do custo de energia da usina de Itaipu, em função do aumento da variação cambial. Já o aumento dos encargos setoriais deve-se a maiores despesas e subsídios embutidos na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) – fundo administrado pelo Governo para custear alguns subsídios às tarifas.

As tarifas de energia são definidas pela Aneel com base em leis e regulamentos federais e contêm custos que não são de responsabilidade da Enel como: impostos, encargos setoriais, custos de geração e transmissão de energia. Estes valores são arrecadados pela distribuidora, por meio da tarifa de energia, e repassados às empresas de geração, transmissão e ao Governo Federal.

Segundo a Enel, de uma conta de R$ 100, por exemplo, apenas R$ 22,8 são destinados à empresa para operação, expansão, manutenção da rede de energia e para remuneração dos investimentos.

Apenas nos últimos dois anos, a empresa investiu cerca de R$ 1,8 bilhão. Esse investimento já contribuiu com a melhora do DEC (Duração de Interrupção por Unidade Consumidora) em 37% no período de dezembro de 2016 a dezembro de 2018. O FEC (Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) também melhorou 35% no mesmo período.

Veja abaixo como fica a composição da conta de energia da Enel Distribuição Rio após a aprovação da revisão tarifária divulgada hoje (12).


Mais do SFn