Anvisa interdita todas marcas de cerveja da empresa mineira Backer Interdição atinge todas as cervejas com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020. População não deve consumir estes lotes; a medida é preventiva e vale para todo o Brasil

Interdição atinge todas as cervejas com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020. População não deve consumir estes lotes; a medida é preventiva e vale para todo o Brasil

Fotos: Divulgação

As marcas de cerveja da empresa Backer (Cervejaria Três Lobos Ltda.) com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020 foram interditadas cautelarmente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta sexta-feira (17/01). A decisão, segundo a Anvisa, veio após uma nova divulgação de análises feitas pelo Ministério da Agricultura, que comprovou a contaminação pelas substâncias monoetilenoglicol e dietilenoglicol em 21 lotes de oito marcas diferentes de cerveja da empresa. A medida preventiva também está baseada na investigação epidemiológica das Vigilâncias Sanitárias de Belo Horizonte e de Minas Gerais e nos laudos do Instituto de Criminalística da Polícia Civil de Minas Gerais e do Laboratório Federal de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura.

O dietilenoglicol é uma substância tóxica e que não pode entrar em contato com alimentos e bebidas. A presença da substância na cerveja está associada à ocorrência de óbitos e intoxicações no estado de Minas Gerais. O monoetilenoglicol, embora de menor toxicidade, também tem sua presença em bebidas vedada por não fazer parte da composição destas. Ainda segundo a Anvisa, os resultados das análises apontam que a fonte de contaminação nas cervejas da Backer pode ser sistêmica e não apenas pontual, ou seja, pode não estar restrita aos lotes específicos que já foram analisados. Por essa razão, a Anvisa decidiu pela medida cautelar para os lotes fabricados no mesmo período de tempo daqueles que já tiveram sua contaminação comprovada por laudos. A medida é preventiva e vale para todo o Brasil. A interdição será mantida até que a empresa comprove a ausência de dietilenoglicol e monoetilenoglicol nas suas cervejas.

Além da interdição das cervejas da marca, três lotes específicos da cerveja Belorizontina e um da cerveja Capixaba estão proibidos e devem ser recolhidos pela empresa em todo o país. A orientação é para que essas cervejas não sejam consumidas caso já tenham sido adquiridas. Os comerciantes devem retirar o produto das prateleiras. A Anvisa vai notificar a empresa para que veicule mensagem com orientação sobre a devolução dos produtos. A ação de fiscalização da venda e recolhimento dos produtos no comércio é de responsabilidade da Vigilância Sanitária de cada cidade. Veja as REs 164 (AQUI) e 165 (AQUI) com as listas completas de interdição no Diário Oficial da União, publicadas na edição extra desta sexta.

Mais do SFn