terça-feira , 22 outubro 2019

Após cinco dias de operação, incêndio em Área de Proteção em São Fidélis é controlado Operação contou com bombeiros de seis cidades. Nos próximos dias, militares do Corpo de Bombeiros de São Fidélis vão monitorar a área

Operação contou com bombeiros de seis cidades. Nos próximos dias, militares do Corpo de Bombeiros de São Fidélis vão monitorar a área

Fotos: SF Notícias

Após cinco dias de um trabalho incansável, as equipes que trabalharam no combate às chamas em uma Área de Proteção em São Fidélis conseguiram conter o incêndio. Foram mais de 80 homens e mulheres envolvidos na megaoperação coordenada pelo Comando de Bombeiros de Área (CBA IV), responsável pelo Norte e Noroeste Fluminense. Foram 70 militares do Corpo de Bombeiros dos destacamentos de São Fidélis, Cambuci e Guarus, além do Quartel Central de Campos, de Cabo Frio, de Araruama e do 1º e 2º Grupamento de Salvamento Florestal e Meio Ambiente – GSFMA, do Rio de Janeiro. A operação também contou com equipes da Defesa Civil, Secretaria de Desenvolvimento Ambiental de São Fidélis, Polícia Ambiental (3ª UPAm) e Guardas-Parque do Parque Estadual do Desengano. O vídeo abaixo mostra um resumo dos dias de operação. (continua após o vídeo)

Foram mais de 20 viaturas e duas aeronaves do Corpo de Bombeiros empenhadas na megaoperação. Os helicópteros foram usados no transporte de militares até os locais de difícil acesso e no combate ao incêndio. Em locais onde o combate era possível por terra, bombeiros utilizaram materiais e equipamentos operacionais, como bombas costais (bombas d’água que os bombeiros usam como uma mochila, nas costas, bombeando água por meio de uma pequena mangueira) e abafadores, além de outras ferramentas. A área destruída pelo incêndio é uma Área de Proteção Ambiental, a APA do Rio do Colégio, única área de proteção municipal, e também pertence a Zona de Amortecimento do Parque Estadual do Desengano. Um posto de comando foi montado na Fazenda São Benedito para centralizar a operação. De lá partiram todas as decisões tomadas e as tropas para o combate. (continua após a publicidade)

Nos primeiros dias a água usada pela aeronave era captada no açude da fazenda, que por sua vez era abastecido por caminhões do Corpo de Bombeiros e um cedido pela Prefeitura. Já nos dois últimos dias de operação, os bombeiros instalaram uma espécie de piscina em uma área próxima ao incêndio, diminuindo o deslocamento do helicóptero. Segundo militares que conversaram com a nossa equipe, em alguns momentos as chamas chegaram a quase cinco metros de altura. A sensação térmica na área de combate passava dos 40 graus, principalmente na quinta, que foi o dia mais quente. Dois militares passaram mal durante o combate. Eles foram encaminhados para o Hospital Armando Vidal (reveja AQUI). Agora, com o incêndio controlado, começa o trabalho de monitoramento, visando o combate imediato de qualquer pequeno foco que venha a ressurgir. Não chove em São Fidélis há mais de 100 dias, e a Defesa Civil colocou o município em alerta máximo devido aos focos de incêndio.

Mais do SFn