terça-feira , 22 outubro 2019

Após se aventurarem pela Estrada Real, em Minas, pai e filho estão a caminho de São Fidélis Eles saíram de Ouro Preto e começaram a se aventurar por 400 km do Caminho Novo da Estrada Real, até Paraíba do Sul, por trilhas. Ao saírem da rota real, pai e filho começaram a enfrentar mais 250 km pelo asfalto rumo a "Cidade Poema"

Eles saíram de Ouro Preto e começaram a se aventurar por 400 km do Caminho Novo da Estrada Real, até Paraíba do Sul, por trilhas. Ao saírem da rota real, pai e filho começaram a enfrentar mais 250 km pelo asfalto rumo a "Cidade Poema"

Pedalar 650 quilômetros pelas históricas e belas paisagens de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Essa foi a tarefa de um pai e de seu filho, que decidiram percorrer parte da maior rota turística do país. A aventura começou no domingo, dia 15. Eles saíram de Ouro Preto e começaram a se aventurar por 400 km do Caminho Novo da Estrada Real, até Paraíba do Sul, por trilhas. Ao saírem da rota real, pai e filho ainda precisaram pedalar por mais 250 km pelo asfalto até chegar em terras fidelenses. Jouber Freixo e o seu pai, Carlos Roberto de Alvarenga Gonçalves, de 67 anos, estão nesse momento pelando a caminho de São Fidélis. “É um prazer inenarrável viver essa aventura ao lado do meu pai.  Serão dias de vivência, aprendizado, sofrimento e prazer”, postou Jouber horas antes de começaram a pedalar. A programação era chegar na “Cidade Poema” na sexta, mas os dois vão tentar concluir o percurso ainda hoje. Sem carro de apoio, eles estão enfrentando juntos os desafios, se encantando com as paisagens e “enchendo a bagagem” de séculos de lutas, conquistas e descobertas que foram fundamentais para o desenvolvimento do país.

Só nesta quarta-feira (18) os dois pedalaram por cerca de 166 quilômetros. Pela madrugada desta quinta-feira (19) os dois já estavam em Anta, no município de Sapucaia. Um caminho desafiador é um prato cheio para quem viaja em busca de emoções. Eles passaram por locais de difícil acesso e precisaram até empurrar a bicicleta algumas vezes. “Sofremos nas subidas para Lavras Novas, mas a altitude e visual compensam… Muita areia solta. Para chegar em Itatiaia foi um Deus a nos acuda; bateu sol, fome, e subidas muito íngremes. Empurrei tudo, claro. Indo para Ouro Branco o sol rachou, e para variar… Subidas e mais subidas para passar no cume do Parque Estadual de Ouro Branco”, relatou Jouber. Os dois levaram em bolsas alforge, próprias para ciclismo, tudo que poderiam precisar durante a viagem, como ferramentas, roupas, lanches, água e alguns equipamentos.

Essa não é a primeira vez que Jouber percorreu parte da Estrada Real. “Eu sempre tive a vontade de fazer viagem de bike. Sempre que eu viajava e via um cicloturista na estrada, mesmo aqueles bem malucões, despertou em mim uma vontade de pegar a estrada nem que fosse por alguns dias. Então em 2017, um amigão que mora em Piedade aceitou me levar pra esse mundo de cicloturismo. O nome dele é Pedro Santos, ele já rodou boa parte do Brasil e do mundo fazendo viagens de bike. Em agosto de 2017 a gente fez o caminho da Estrada Real, a versão Caminho Velho. Nós saímos de Ouro Preto e fomos até Paraty. Foi uma viagem de muito aprendizado, o Pedro é muito experiente e me deu experiência suficiente para fazer uma viagem parecida, que é na modalidade Mountain Bike, sozinho”.

Jouber contou ao SF Notícias que o pai sempre está presente nos planejamentos de suas aventuras, pois ele sempre topa de imediato. Antes de começar a jornada ele falou sobre a expectativa de conhecer melhor o estado de Minas, de se desafiar e de passar mais tempo com o pai. “A expectativa é mais uma vez nos colocar numa situação de desafio, porque nessa viagem, estaremos só nós dois, sem carro de apoio, sem um mecânico. Realmente é um desafio diferenciado porque nada pode dar errado, não pode quebrar nada da bicicleta, a gente não pode se esgotar, porque não tem como ir pra carro de apoio descansar, tem que cumprir uma rota. A expectativa é conhecer mais a fundo o estado de Minas, e também de passar um tempo a mais junto, pai e filho. Essas aventuras que a gente se propõe a fazer é uma oportunidade de passar um tempo a mais junto, tendo em vista que meu pai mora em São Fidélis e eu moro em Macaé. Então a gente une o útil ao agradável, de praticar o esporte, viajar, fazer uma higiene mental, passar uns dias juntos e tudo isso a gente consegue compilar em uma única atividade”. Eles foram de ônibus de Macaé até Ouro Preto de onde começaram a pedalar e passaram por Lavras Novas, Itatiaia, Ouro Branco, Conselheiro Lafaiete, Barbacena, Santos Dumont, Juiz de Fora, Monte Serrat, entre outras localidade e municípios. Jouber afirma ainda que uma viagem como esta não pode ficar só na memória, e por isso, gravou vídeos para seu canal no Youtube.

Mais do SFn