quarta-feira , 12 dezembro 2018

Casal de São Fidélis se reencontra após mais de 40 anos e realiza sonho da adolescência Marli e Valter se conheceram em 1965, foram noivos, mas acabaram se separando; O amor, entretanto, resistiu ao tempo e a distância

Marli e Valter se conheceram em 1965, foram noivos, mas acabaram se separando; O amor, entretanto, resistiu ao tempo e a distância

Fotos: Arquivo pessoal

Parece um roteiro de filme ou capítulos de um livro, mas a história de Marli Petrutes Palagar, de 70 anos, e Valter Matos Pimenta, de 68, aconteceu na vida real. O casal, de São Fidélis, se reencontrou após mais de 40 anos e oficializou a relação que começou ainda na adolescência.

“Quando nos conhecemos, eu tinha 17 e ele 15 anos. Nós namoramos seis anos e fomos noivos por quatro anos. Eu era praticamente da família, a mãe dele dizia que eu era a filha que ela não teve” – relatou Marli.

Mas, tudo mudou quando Valter foi trabalhar no Rio de Janeiro. Ele teve uma filha com outra mulher e Marli terminou o relacionamento. “Eu tive dois filhos e mais de 40 anos depois ele (Valter) reapareceu, bateu na minha porta e conversamos” – contou Marli.

Ela conta ainda que Valter levou três dias para encontrar a casa dela. “Ele bateu na minha porta e falou “eu voltei pra me casar com você” e então eu disse “estou na Igreja católica, sou da associação religiosa, para casar comigo tem que falar com o padre, ir comigo na Igreja e se casar na Igreja” e ele disse “eu faço tudo isso por que nunca deixei de te amar e eu fiz você sofrer muito, quero te pedir perdão”. 

No dia 28 de julho de 2017 o casal finalmente realizou o sonho de se casar. A cerimônia foi realizada na Paróquia de Nossa Senhora Aparecida e São Fidélis e reuniu amigos e familiares. “Agora é só felicidade, ele faz tudo para mim, meus filhos estão gostando muito dele” – afirma Marli.

Aos que estão sozinhos, Marli deixa um conselho “Nunca se deve perder a esperança e acreditar que Deus é maravilhoso e surpreendente. Quando você pensa que está sozinha, Deus te manda um companheiro. É só acreditar e ter fé” – concluiu.


Mais do SFn