Com investimentos de 2 bi, criação de usina de energia fotovoltaica deve gerar 10 mil empregos em Campos Serão gerados mais de três mil empregos diretos e cerca de 7 mil indiretos durante a implantação do empreendimento

Serão gerados mais de três mil empregos diretos e cerca de 7 mil indiretos durante a implantação do empreendimento

Foto: Renan Liu

O município de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, anunciou um investimento de R$ 2 bilhões para a criação de uma usina de energia fotovoltaica com capacidade de atender a 600 mil residências, podendo beneficiar municípios como São Francisco de Itabapoana, São João da Barra e Quissamã. Além da usina, também será criado um terminal de gás natural liquefeito (GNL). Já nos próximos meses, serão gerados mais de três mil empregos diretos e cerca de 7 mil indiretos durante a implantação do empreendimento – resultado de uma joint venture entre as empresas E4 Brasil e a Amazônica Energy.

“A articulação do prefeito Rafael Diniz no que diz respeito ao anel viário é o ponto de partida para a chegada de nossa equipe ao município. Temos feito estudos em todo o Estado do Rio de Janeiro e Campos tem total aptidão para receber uma usina de energia fotovoltaica, mas, só nessa gestão criou-se a possibilidade de chegada de investidor trazendo energia de qualidade, limpa e que possibilitará a atração de diversas indústria”, avaliou Edmar Borralho, diretor de negócios da E4 Brasil.

Em novembro, último, foi assinado um termo de intenção entre a Prefeitura, a E4 Brasil e a Amazônica Energy para a criação da usina e do terminal GNL. Durante a assinatura do documento, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Felipe Quintanilha, destacou que serão investidos cerca de dois bilhões de reais para a implantação da usina e do terminal de GNL. “Foram feitos estudos e avaliações para a implantação deste empreendimento que atrai diferentes empresas para nosso município e a possibilidade de, já nos próximos meses, serem abertas cerca de sete mil vagas de empregos indiretos durante a construção”, disse o secretário.

 

Mais do SFn