terça-feira , 22 outubro 2019

Com nome de Lei, Maria da Penha é morta com golpes de facão pelo ex-companheiro em Itaperuna Maria da Penha era catadora de latinhas, e segundo a neta, era agredida e ameaçada pelo ex-companheiro

Maria da Penha era catadora de latinhas, e segundo a neta, era agredida e ameaçada pelo ex-companheiro

A catadora de latinhas Maria da Penha, de 65 anos, foi assassinada com golpes de facão na manhã desta quinta-feira (27/06) em Itaperuna. O crime aconteceu no bairro Lions, em frente à própria residência da vítima, e segundo a Polícia Civil, foi cometido pelo ex-companheiro Ademir Santos, de 61 anos, com quem ela teve uma relação de 15 anos. Ela havia se separado dele há cerca de dois meses. Maria chegou a ser socorrida e encaminhada ao Hospital São José do Avaí com ferimentos graves, mas não resistiu e morreu após receber os primeiros atendimentos na unidade de saúde. (continua após a publicidade)

Quinze anos juntos ele batendo nela e ela não largava ele por ameças, até que Deus abriu o olho dela e ela largou ele. Fizemos de tudo. Fomos na delegacia. Ontem (26) ela foi lá em casa e conversou comigo. Ela mandou eu mandar mensagem para o bar do Tião que ela queria ir para o forró. ‘Ah Julyanna, por favor, vamos no forró comigo. Eu quero ser feliz, eu quero andar, quero ser livre. Não quero que ele fique me perturbando’. Parecia que ela estava se despedindo. Ele matou a minha avó. Tem que ter Justiça! Tem que ir pra cadeia!” – disse a neta Julyanna Veiga, emocionada em um vídeo postado em uma rede social.

Segundo informações do 29º Batalhão de Polícia Militar, a sala de operações da unidade foi acionada para uma ocorrência de possível agressão. Ao chegarem ao local os militares encontraram a idosa sentada na calçada em frente à própria residência ensanguentada e com cortes atrás da cabeça e no rosto. Uma testemunha contou aos militares que ouviu gritos de socorro e foi tentar ajudar a vítima, mas que o suspeito estava com o facão e também tentou agredi-la. Porém, com a chegada de mais populares, o acusado fugiu do local em uma bicicleta.

Ainda de acordo com o batalhão, após o crime várias guarnições foram empenhadas nas buscas pelo acusado, e os militares acabaram encontrando, no bairro Cehab, a bicicleta usada na fuga pelo acusado, o facão e roupas com sangue, além de um documento que facilitou a identificação do acusado. Ele foi encontrado após levantamento da equipe do Serviço Reservado do 29º BPM, da guarnição do DPO de Boa Ventura e da Polícia Civil no distrito de Boa Ventura. Ainda segundo o 29º Batalhão, ele confessou o crime no momento da prisão.

O SF Notícias não conseguiu contato com o delegado responsável pelo caso, mas segundo o portal G1, Maria da Penha havia conseguido uma medida protetiva baseada na Lei de mesmo nome que a vítima. Pela Lei, o ex-companheiro tinha que manter uma distância de 300 metros de Maria, o que não acontecia.

Mais do SFn