Crianças devem receber vacina contra o sarampo antes de viajar, recomenda Ministério Orientação é para crianças que forem para municípios que apresentam surto ativo de sarampo; 39 municípios estão nessa situação, sendo três no estado do Rio

Orientação é para crianças que forem para municípios que apresentam surto ativo de sarampo; 39 municípios estão nessa situação, sendo três no estado do Rio

Foto: Lucas Silva/ Ilustrativa

O Ministério da Saúde emitiu um alerta aos pais, mães e responsáveis que vão viajar com os filhos de seis meses a menores de um ano de idade para municípios em situação de surto ativo do sarampo no país. A recomendação é que todas essas crianças, nesta faixa etária, sejam vacinadas contra a doença, no período mínimo de 15 dias, antes da data prevista para a viagem. Além de proteger, a medida de segurança pretende interromper a cadeia de transmissão do vírus no Brasil. Atualmente, 39 cidades em três estados brasileiros (São Paulo, Pará e Rio de Janeiro) se mantém com surto ativo, ou seja, com crescimento do número de casos confirmados da doença.

Segundo o Ministério, a chamada “dose zero” não substitui e não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Assim, além dessa dose que está sendo aplicada agora, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade (1ª dose); e aos 15 meses (2ªdose) para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral + varicela. A vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente do planejamento de viagens para os locais com surto ativo do sarampo ou não. Na rotina do Sistema Único de Saúde (SUS) a tríplice viral está disponível em todos os mais de 37 mil postos de vacinação em todo o Brasil. A vacina previne também contra rubéola e caxumba.

O Ministério da Saúde registrou, nos últimos 90 dias, entre 05 de maio a 03 de agosto de 2019, 907 casos confirmados de sarampo no Brasil, em três estados: São Paulo (901), Rio de Janeiro (5) e Bahia (1). No estado do Rio, três municípios estão em risco, Rio de Janeiro, Paraty e Nilópolis. O Ministério ressalta que, até o momento, diante do atual cenário epidemiológico do sarampo, não está prevista a realização de campanhas adicionais de vacinação contra a doença, em outros locais, considerando que esta ação já está sendo realizada nas áreas onde há circulação do vírus atualmente. A pasta ressalta ainda que mesmo em situações de surto, a vacinação de rotina está mantida na rede de serviço do SUS, conforme as indicações do Calendário Nacional de Vacinação e que os serviços de vacinação são estimulados a buscar a sua população não vacinada para a devida atualização.

Mais do SFn