Crise nas bandas 22 de Outubro e Filarmônica Fidelense, tradição que se perde no tempo

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

As bandas de música de São Fidélis,  já foram uma das grandes marcas da cidade, suas apresentações frequentes dentro e fora do município, encantava, emocionava e divertia muitas pessoas. Além de formar profissionais da área e revelar artistas para o mundo, elas também exerciam um papel social importante, tirando crianças e

Maestro Bahia
Maestro Bahia

adolescentes das ruas e os apresentando ao meio musical.

Estas bandas ainda existem, mas a sua valorização entre as pessoas está se perdendo a cada ano que passa, e assim chegam a ser esquecidas com o avançar da modernidade, perdendo espaço para outros estilos musicais.

Esta realidade é notória, nas bandas musicais 22 de Outubro e Filarmônica Fidelense, que são frutos do município e que atravessaram gerações com esta arte.

Para contar sobre a história das duas bandas, o antigo maestro da 22 de Outubro e Fundador da Filarmônica, José Maria Mangia, “Bahia”, de 74 anos, concedeu uma entrevista para a nossa equipe.

O maestro Bahia, que começou a estudar música com 12 anos de idade, em 1952, disse que a história da banda 22 de Outubro não foi documentada, e por isso, é conhecida apenas de acordo com relatos passados de geração em geração, algo que ocorreu há 98 anos, com a rivalidade de duas bandas que existiam no município.

“Aqui em São Fidélis existiam as bandas Filofênica Fidelense e a Iauterpe Fidelense, que brigavam muito e por consequência disso Banda de música foram fechadas, então os músicos ficaram dispersos. No dia 22 de Outubro de 1916, um médico da época, chamado Doutor Chimendes, precisava de músicos para tocar no aniversário de 15 anos do seu filho, e com o fim das duas bandas da cidade, não havia nenhuma para tocar, por isso contratou os músicos que eram componentes das antigas bandas e então veio a ideia de que formassem uma nova, com o nome 22 de outubro”, lembrou Bahia.

Sobre a Filarmônica Fidelense, ele afirmou que a história foi documentada e a banda teve a sua fundação no dia 28 de fevereiro de 1986, devido a um desentendimento religioso na 22 de Outubro, onde foi maestro por cinco anos, e a partir disso tomou a decisão de sair e com ele saíram metade dos alunos e músicos, surgindo a ideia de formar outra banda musical no município.

Banda de música “A banda Filarmônica está paralisada há um ano, por causa da obra que foi feita em um valão próximo a sede, que impossibilitou os ensaios, mas pretendem voltar a funcionar. Havia cerca de 23 alunos e 30 músicos tocando quando a banda parou, e eram liderados pelo maestro Whellington Pessanha,  “Thon”, no período de oito anos em que estou afastado.”, argumentou.

A Filarmônica Fidelense, com suas apresentações em diversas competições pelo país, conseguiu ganhar cerca de 40 troféus nos 27 anos em que se manteve ativa.

Para José Maria, esta queda na procura  para estudar este tipo de música, deve-se pela época das bandas de música já ter passado. “As bandas foram substituídas por artistas, sem contar que sempre faltou incentivo público e para manter uma banda o custo é muito alto, e acredito que essa crise na 22 de outubro vem deste fato também.”

Heitor Pontes da Silva, de 19 anos, um dos músicos que frequentam atualmente a banda 22 de Outubro,  disse que ficou por cerca de um ano na Filarmônica Fidelense e está há 6 anos  na banda 22 de outubro.Banda de música

Ele disse, que na época em que começou a estudar clarinete, com 13 anos de idade, haviam muitos alunos e músicos, e hoje em dia o número diminuiu bastante. “Agora a banda ficou restrita para tocar em alvoradas, missas, procissões e desfiles do padroeiro. Ninguém chama mais a banda para tocar em lugar nenhum e isso faz com que as pessoas desanimem, antes as bandas eram muito populares e hoje ninguém lembra mais delas”, lamentou Heitor.

O músico terminou dizendo, que pretende seguir esta área no futuro e que está aprendendo a tocar Sax. “Também acho que os jovens de hoje não estão muito motivados em querer seguir uma carreira musical nesse estilo, outro fator que pode ser a causa desta crise nas bandas de musica.” Concluiu.

A nossa reportagem também conversou com a atual maestrina da 22 de Outubro, Neidineia Clemente, de 40 anos, juntamente com o ex presidente, Pedro Mariano Medeiros, de 88 anos, que nos disseram já terem tido 100

Ex presidente e maestrina
Ex presidente e maestrina

músicos, e hoje em dia estão na faixa de 35 a 38 músicos.

Neidineia, que entrou na 22 de Outubro como aluna, aos oito anos de idade em 1982, afirmou que nunca existiu rivalidade entre as bandas 22 de Outubro e a Filarmônica Fidelense. “Trabalho aqui como voluntária, os músicos e os alunos também aprendem sem pagar nada, só estou continuando pelo amor a música”, relatou a maestrina.

Para ela, a popularidade da 22 de Outubro caiu devido a falta de investimento e apoio dos órgãos públicos, mas ainda espera que haja uma mudança, pois este também é um trabalho social, que ensina os jovens algo que os auxiliará em seu crescimento, tanto moral como profissional na área da música.

O pai de Pedro Carlos Pereira Mariano, atual presidente da 22 de outubro, Pedro Mariano, frisou contando que a banda nunca parou um mês e nem ao menos um dia, nesses 98 anos de existência e que ajudou a formar músicos atuantes em vários estados do país, Banda de música como Minas Gerais, com uns dois antigos alunos, Espírito Santo, com cerca de três antigos alunos, Manaus, com cinco e vários outros músicos em Campos dos Goytacazes.

A maestrina ainda conta, que é muito difícil continuar sem a reposição de instrumentos e material didático, que são recursos dependentes de verba. As aulas e os ensaios, ainda acontecem de segunda a sexta, às 18 horas da tarde, na sede da banda 22 de Outubro.

O maestro Bahia, terminou a entrevista fazendo um apelo para a população fidelense e aos órgãos competentes do município, para que lembrem do valor das bandas de música como um patrimônio cultural, que necessitam do apoio financeiro e motivacional dos cidadãos, para que esta arte não seja perdida e que assim as portas não sejam fechadas.

Banda de música

 

 


Mais do SFn