Detran esvazia pátios que estavam sem limpeza há seis anos Com os leilões, foram arrecadados aproximadamente R$ 2 milhões. Os terrenos serão devolvidos aos seus donos no fim do contrato de aluguel de cada imóvel. Todos são particulares

Com os leilões, foram arrecadados aproximadamente R$ 2 milhões. Os terrenos serão devolvidos aos seus donos no fim do contrato de aluguel de cada imóvel. Todos são particulares

Depois de seis anos os pátios do Detran.RJ, para onde eram rebocados os veículos apreendidos em operações do departamento, estão finalizando o processo de limpeza para serem devolvidos à sociedade em boas condições de salubridade. Foram 8,3 mil veículos, ou 4 milhões de toneladas de ferro que, de tão desgastadas pela ação do tempo, viraram somente material de sucata. Dos quatro locais anteriormente lotados, dois já estão totalmente limpos e sem os veículos. Nos outros dois, os automóveis e motos acumulados estão sendo prensados, depois de já terem passado pelo processo de higienização para não contaminar o meio ambiente com resíduos de óleos e combustíveis. A operação de higienização e esvaziamento dos depósitos começou a ser feita em janeiro, após a posse da atual diretoria. Marcelo Bertolucci, hoje presidente e então vice-presidente do órgão, ficou à frente da operação. Com sua equipe de trabalho, realizou dois leilões para a limpeza dos quatro pátios. Desde 2013 a situação era a mesma: os veículos recolhidos nas operações iam para os pátios do Detran e lá ficavam parados à espera de seu dono recuperá-lo ou ir à leilão.

Os que não foram recolhidos permaneceram nos pátios, sem definição. O acúmulo não permitia a limpeza dos terrenos e, à medida que as chuvas caíam e o tempo passava, os terrenos se transformaram em mato e os veículos em depositários de água contaminada. O Detran.RJ também gastava com segurança para tomar conta do espólio, pois o material dos veículos era do interesse de quadrilhas para repassar veículos roubados. Após os leilões, cada pátio passou por três etapas para que fosse esvaziado: higienização das sucatas, prensagem do material e por fim, a retirada propriamente dita dos veículos. O primeiro pátio limpo está localizado em Senador Vasconcelos (arredores de Campo Grande, zona Oeste do Rio). Foi totalmente liberado no último mês de setembro. O segundo, na comunidade do Sabão, em Niterói, terminou a limpeza no último dia 11.

Nos dois últimos, localizados em Jardim Primavera e Santa Cruz da Serra, no município de Caxias, os veículos começarão a ser prensados nesta quinta-feira (17/10). Com os leilões, foram arrecadados aproximadamente R$ 2 milhões. Os terrenos serão devolvidos aos seus donos no fim do contrato de aluguel de cada imóvel. Todos são particulares. “Era um absurdo o que acontecia nos pátios do Detran. Era função do departamento cuidar dos bens colocados sob sua responsabilidade. Porém, deixaram os veículos por seis anos apodrecendo ao sol e à chuva. Além disso, era necessário limpar os pátios. Os veículos acumulados, armazenavam água da chuva, tornando insalubres aqueles locais. Isso não era justo com a população do Rio de Janeiro. Leiloar os veículos nos fez devolver dignidade aos vizinhos dos nossos pátios e economia ao Detran”, afirmou o presidente Marcelo Bertolucci.

Por meio da operação Detran Seguro, criada também por Bertolucci e que tem seis meses de existência, o Detran continua verificando as condições de segurança dos veículos no Estado. No período foram verificados 174 mil veículos e aplicados 9.722 autos de infração. Atualmente, o departamento primeiro notifica o problema e dá prazo de sete dias úteis para que o proprietário apresente o conserto realizado no posto de serviço do departamento. Caso o veículo não seja apresentado para a conferência, a notificação se transforma em infração e é registrada em sistema para que o automóvel seja punido devidamente, conforme determina o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Mais do SFn