quarta-feira , 7 dezembro 2016
coletiva operação apocalipse t

Em coletiva, delegado e promotor apresentam presos da “Operação Apocalipse II”

presos operação apocalipse
Fotos: Matheus Almeida / Vinnicius Cremonez

Foram apresentados no final da tarde desta quinta-feira os 23 presos durante a Operação Apocalipse II em São Fidélis. Com o objetivo de cumprir 27 mandados de prisão preventiva por tráfico de drogas e um por estupro, e assim como a primeira realizada em 2013, a operação foi um operação apocalipse carros 4sucesso.

Cerca de 150 homens e 60 viaturas de delegacias de todo o estado, quatro Delegados, dois Promotores Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Promotora da Comarca de São coletiva operação apocalipseFidélis, participaram da operação comandada pelo Delegado Rodrigo Maia.

Por volta das 4h da manhã os policiais se encontraram em Campos, de onde seguiram em comboio para São Fidélis. Além dos 27 mandados de prisão preventivas, os policiais também tinham o objetivo de cumprir 70 mandados de operação apocalipse presos presídio 3busca e apreensão em residências, estabelecimentos comerciais e em celas de alguns denunciados que já se encontram presos. Duas armas, 11 munições e uma pequena quantidade de maconha foram apreendidos durante as buscas.

Durante a entrevista coletiva, Rodrigo Maia disse que além dos 24 presos por mandados, outros quatro foram presos em flagrantes, totalizando 28 presos, e que dois dos quatro que já estavam em um presídio, comandavam a venda de drogas na Ipuca e na região norte do município, por trás das grades; usados “vapores”. Os quatro também foram levados do presídio para a 141ª Deleagacia Legal do município, onde se concentrou toda a operação.

Ainda de acordo com o delegado, durante a “Operação Apocalipse” , realizada em 2013 e que ficou restrita aos bairros Chatuba, São Vicente e Usina, surgiram novas denúcias de que o tráfico não ficava concentrado apenas naqueles bairros, aí surgiu a necessidade de expandir a operação para outros bairros, como Centro, Gamboa, Nova Divinéia, o distrito de Pureza e o bairro Vila dos Coroados.

Um dos procurados estava embarcado em uma plataforma, e foi capturado por um helicóptero. A investigação contou com interceptações telefônicas, autorizadas pela Justiça, além de provas documentais e orais, que demonstram a forma de operação dos grupos criminosos. Parte da droga (cocaína, maconha e crack) era obtida nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo e no município de Campos, para ser revendida em São Fidélis.

operação apocalipse 2 1De acordo com as investigações, o grupo liderado por Igor de Souza Bicudo, era composto por 24 integrantes, que foram denunciados por associação para o tráfico e tráfico de drogas. Já os 24 integrantes do grupo de Tiago Mendonça de Barros, conhecido como “Bigoel”, foram denunciados por associação para coletiva 5o tráfico, tráfico de drogas, corrupção de menores (duas adolescente) e lavagem de dinheiro.

O grupo liderado por Leonardo Pinto da Silva, o “Leo Gordo” na foto sendo preso, era composto por 18 pessoas, e todas foram denunciadas por associação para o tráfico; e os cinco integrantes operação apocalipse presos presídio 4do grupo de Antônio Marcos Miranda de Castro, o “AM”, foram denunciados por associação para o tráfico, tráfico de drogas e corrupção de menores (duas adolescentes).

Segundo o Promotor de Justiça do GAECO, Cláudio Calo, a operação foi desencadeada após a instalação de quatro inquéritos criminais presidido pelo Delegado Rodrigo Maia. A droga seria enterrada pelos grupos para dificultar a apreensão.

“Elas são enterradas aos poucos e pesadas em balanças. São embaladas e distribuídas em pequenas quantidades para vários vendedores pela cidade, para que caso eles sejam abordados, seja atuado apenas como usuário e liberado”.

Ainda de acordo o promotor, parte dos grupos criminosos conhecia a escala de plantão da Polícia Militar do município, e que em determinados dias, eles não vendiam drogas devido o empenho de algums dos policiais. Cládio Calo vai encaminhar as informações das escutas para o Tenente Coronel Pinheiro Neto, comandante geral da PM, onde criminosos falam mal de alguns Policiais Militares, que se empenhavam no combate ao tráfico, que segundo ele, é algo surpreendente e elogiável.

O SF Notícias foi a úncia equipe de reportagem do município que acompanhou a operação desde o início. Reveja a matéria sobre a operação.

Polícia Civil deflagra “Operação Apocalipse II” em São Fidélis

Os foragidos são: Allanzinho, Roberto e Melque.

OPERAÇÃO APOCALIPSE 2 25

SFn