Matheus Faro e Carol Lemos

Era uma vez dois amigos felizes para sempre

Matheus Faro e Carol Lemos
Matheus Faro e Carol Lemos

Hoje a minha coluna está tão especial… Tão especial… Nem sei como começar. Amanhã eu faço aniversário, isso mesmo… 31 aninhos de vida e pra “comemorar” essa data aqui com vocês, aceitei de todo coração essa homenagem que minha querida amiga e irmã Carol Lemos escreveu pra mim.

Nada é mais importante nessa vida do que amar e ser amado, essa regra parece ser tão simples, tão automática, mas não é bem assim que acontece… Na construção de qualquer relação sólida, é imprescindível respeito, atenção, paciência, tolerância, carinho e tantos outros ingredientes que fazem dessa receita uma delicia, mas muito difícil de se preparar.

Quando faço um retrospecto da minha vida, me sinto muito feliz em perceber que nunca, em nenhum momento estive sozinho. Entender, ouvir e cuidar do outro sempre foi um prazer pra mim, gosto de pessoas, de contato humano, de histórias pra contar e principalmente de me divertir… E se tem uma coisa que aconteceu comigo nessas últimas três décadas, foi muita diversão.

Bem, abro aspas para minha querida amiga Carol agora e agradeço do fundo do meu coração, suas palavras minha amiga, fiquei emocionado e muito feliz. Muito obrigado pelo carinho, conte sempre comigo, sempre!!!

Um grande beijo a todos e até semana que vem!!!

 

“Era 2006. Faltavam algumas horas para começar a peça. Eu não tinha muito o que fazer, então, não me lembro bem porquê, resolvi sair pra dar uma volta. Mas quando abri a porta do teatro, dei de cara com um rapaz…. LINDO!!

-“Oi. O Renan está aí? Sou Matheus, amigo dele.”

-“Está…….” Respondi com todas as reticências e vergonha de alguém com corações flutuando sobre a cabeça.

E fiz questão de desistir do… Passeio? Que passeio? E levei-o até o teatro.

Matheus estava entrando para substituir um ator nas últimas semanas de espetáculo.

Hoje, oito anos depois, gosto de contar esta história com muito bom humor. Este romance nunca aconteceu. Pelo menos não como dois amantes. Mas nossa amizade se tornou tão grande e tão forte, que posso dizer com muito carinho que continuo apaixonada por este grande amigo que a vida me deu. Uma amizade que só cresce, independente da distância ou do tempo. No Rio de Janeiro, na Austrália, em Londres, em São Paulo, em Jupiter… Não importa. Eu encho a boca para chamá-lo de MEU MELHOR AMIGO.

Pensa numa pessoa iluminada, amável, batalhadora, querida, educada, inteligente, divertida… Pensou no Matheus.

Ele é amigo para cinema, teatro, jantar, amigo para falar besteiras, para chorar no ombro, para enviar e-mails intermináveis, para me ajudar a filtrar as grosserias antes que elas saiam de mim destruindo minhas relações, para inventar codinomes engraçados, para poder dizer que eu amo mais que picolé de xuxu (e ouvir que ele me ama mais que dor de barriga), para ser cobaia de cabeleireira amadora, para dar gargalhadas, para as horas mais difíceis da vida, quando tudo o que precisamos é de um amigo de verdade ao lado… Enfim, para todas as horas. E ele nunca faltou!! Nota dez em todos os quesitos. 

Matheus é a única pessoa neste mundo que me entende. Quando tudo parece absurdo demais e o mundo parece me virar as costas, ele encontra uma razão em mim, que ninguém mais enxerga. No mundo azul em que ele vive, sempre tem espaço pra mais um, e eu sou sempre convidada!!

Nos vejo velhinhos, daqui há muitos anos, em cadeiras de balanço, lembrando dos velhos tempos (aqueles dos IPhones….), rindo, falando besteira, tomando Toddynho…

Esta semana ele faz aniversário. E eu não sou muito clichê com datas… Não vou usar isso como desculpa para dizer que eu desejo a ele todas as felicidades que merece, que desejo que todos os sonhos dele se realizem e que estarei lá para aplaudi-lo sempre, mas também para ampará-lo, caso ele precise. Não preciso desta (e de nenhuma outra) data para dizer a ele que pode sempre contar comigo e que nossa amizade é eterna. Pronto, falei.

E digo mais!!! Se eu cantasse bem, eu cantaria para ele, não um “parabéns”, que é muito clichê, mas este trecho de Marisa Monte:

“Quem diria que a meu lado
Você iria ficar
Você veio pra ficar
Você que me faz feliz
Você que me faz cantar”


Mais do SFn