quinta-feira , 22 agosto 2019
Foto: Divulgação

Estado registra 14 casos de malária, dois deles em Nova Friburgo

Imagens: Reprodução
Imagens: Reprodução

O estado do Rio de Janeiro registrou 14 casos de malária nas últimas três semanas, todos na região serrana. De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), até então o número de casos no estado, entre 2008 e 2014, chegava a 15. Apesar do aumento, a Secretaria Estadual de Saúde informou não haver evidências de surto da doença.

Os locais de infecção são os municípios de Miguel Pereira (três), Nova Friburgo (dois), Petrópolis (dois) e Teresópolis (um). A origem de mais seis casos já confirmados continua em investigação, segundo a secretaria. Não há mortes confirmadas e, até o momento, os casos registrados apresentam a versão branda da doença.

Os pacientes com malária na região serrana foram contaminados no local, ou seja, não vieram infectados de outros lugares. São os chamados casos autóctones, informou a secretaria.

Imagens: Reprodução
Imagens: Reprodução

Um alerta é feito para as pessoas que vão visitar as regiões próximas à Mata Atlântica, devido ao forte calor, que favorece o desenvolvimento do mosquito. Como a transmissão ocorre em ambiente silvestre, a orientação é que pessoas que estiveram em áreas de Mata Atlântica e apresentam quadro febril busquem atendimento médico, informando o histórico de viagem, para facilitar o diagnóstico e o início de tratamento adequado.

Segundo o Ministério da Saúde, a Amazônia concentra mais de 99% do total de casos de malária no país, inclusive os mais graves. No Rio, a doença apresenta sintomas leves, sem complicações. O tratamento dura três dias com medicamentos distribuídos pelo próprio ministério.

Como a malária não é endêmica no estado do Rio, muitos profissionais de saúde não conseguem diagnosticar a doença de imediato. Os pacientes com suspeita de infecção devem ser encaminhados a um centro especializado no diagnóstico e tratamento de malária, mesmo que não haja confirmação da doença nos primeiros exames diretos ou no teste rápido. O Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, na Avenida Brasil, tem equipe especializada.

De acordo com o Ministério da Saúde, em 2013 o Brasil registrou o menor número de casos de malária dos últimos 33 anos, com 178.614 notificações. Ele representa queda de 71%.

Fonte: Agência Brasil


Mais do SFn