segunda-feira , 20 novembro 2017

Estudantes de Macaé se preparam para a Olimpíada Brasileira de Robótica Macaé é a única cidade no Estado do Rio de Janeiro com um laboratório público de robótica, que integra alunos das escolas municipais e universitários

Macaé é a única cidade no Estado do Rio de Janeiro com um laboratório público de robótica, que integra alunos das escolas municipais e universitários

Fotos: divulgação

Alunos do Colégio Municipal do Sana, em Macaé, se preparam para a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), que vai acontecer entre os dias 07 a 10 de novembro, em Curitiba (PR) e é considerada uma das mais importantes competições científicas do país. A melhor equipe da OBR 2017 irá disputar a categoria RoboCup Junior Rescue Line em 2018, no Canadá.

A OBR vai integrar a Mostra Nacional de Robótica (MNR) com estudantes que participam ou não da olimpíada. Haverá projetos de robótica, mecatrônica e automação. Os representantes de Macaé serão os estudantes do Colégio Municipal Natálio Salvador Antunes, com o “Bombeamento inteligente e sustentabilidade”.

Macaé é a única cidade no Estado do Rio de Janeiro com um laboratório público de robótica, que integra alunos das escolas municipais e universitários. O espaço faz parte do programa #inovareaprender se destaca no país por atuar na gestão da tecnologia e contribuir na formação dos estudantes.  O #inovareaprender funciona com desenvolvimento de jogos, preparação de equipes, realização de torneios, prototipagem, movimento maker e incentivo à cultura de gambiarra como conotação de resolver um problema com poucos recursos.

O laboratório e a participação em olimpíadas validam o município como um dos que mais cresce no Estado do Rio na área da robótica educacional. O Lab#inovareaprender foi reformado e recebe estudantes de 11 escolas. Eles se dividem em estações, que integram diretamente 1,5 mil estudantes do quarto ano ao Ensino Médio. Além disso, cerca de cinco mil alunos participam indiretamente de outras atividades com os robôs.

Oficinas preparam os alunos para a robótica

Cerca de 50 universitários atuam no laboratório. Eles estudam nos polos das universidades federais do Rio de Janeiro (UFRJ-Macaé), Fluminense/Polo Macaé e Faculdade Municipal Professor Miguel Ângelo da Silva Santos (FeMASS), além da Universidade Estácio de Sá e Faculdade Salesiana.

Segundo a coordenadora responsável pelo programa, Luemy Ávila, a inovação atrai o interesse de novos alunos e professores. Os frequentadores participam de oficinas como “Movimento Maker – Robôs e programação”, que acontece às segundas, às 18h30, com alunos a partir de oito anos.

Outra atividade é o “Kacker Clube”, que envolve jovens a partir de 16 anos. A oficina acontece nas quartas, a partir das 18h30, trata de habilidades voltadas para animação, criação de aplicativos e gamificação. Já às quintas-feiras, às 18h30, é a vez do tema “Robôs e preparação de torneios” junto aos participantes dos desafios e programações.

Letícia Nazareth Araújo Tavares e João Vítor Cerilo Pereira, alunos do Colégio Municipal Professora Maria Isabel Damasceno Simão, afirmaram que a robótica mudou a vida de ambos. “Ficamos mais concentrados e focados. A robótica trabalha com raciocínio lógico. Estamos muito felizes em fazer parte do programa. É um privilégio”, contam os jovens.


Mais do SFn