segunda-feira , 22 outubro 2018

Fidelense é aprovada para cursar Serviço Social na Universidade de Coimbra, em Portugal Ela se inscreveu no Programa de Mobilidade Internacional da UFF e mesmo com a grande concorrência foi selecionada para cursar um período

Ela se inscreveu no Programa de Mobilidade Internacional da UFF e mesmo com a grande concorrência foi selecionada para cursar um período

Fotos: Arquivo pessoal

Um sonho que começou em 2016 e se concretizou neste ano. Moradora de São Fidélis, Carla Mangueira se inscreveu no Programa de Mobilidade Internacional da Universidade Federal Fluminense (UFF), que envia estudantes para o exterior, e foi aceita na Universidade de Coimbra, em Portugal.

“No final de 2016 eu participei desse processo seletivo, mandei minha carta de intenção para a UFF e me candidatei a uma vaga na Universidade de Coimbra. Dentro do processo de mobilidade ela é a mais concorrida porque só tem acho que cinco vagas por semestre” – disse ao SF Notícias.

Mesmo com a concorrência extrema, a fidelense se destacou e foi selecionada para cursar seis meses de intercâmbio. “Eu sempre quis estudar aqui, sempre foi um sonho, desde criança eu sonhava em estar aqui e esse programa foi maravilhoso por que abriu as portas para que eu viesse para cá” – contou.

Carla relata ainda que o processo de mudança está sendo tranquilo e que em Coimbra se encontra muitos brasileiros. “Esse processo de adaptação acaba se tornando muito mais fácil, porque a gente sempre encontra um brasileiro. A questão da língua também foi um fator de aproximação muito bom porque apesar de a gente falar muito inglês aqui na Universidade, o fato de termos o português como língua materna também ajudou”. 

Acostumada com o calor de São Fidélis, ela está tendo que se adaptar ao frio, já que em Coimbra a máxima chega a apenas 12°C. Mas, ela afirma que está sendo muito positivo o processo de mudança. “E está sendo um processo de amadurecimento muito bom, porque ter que morar sozinha, em outro país, estudar em outra universidade, sob uma nova cultura e tudo mais, tem exigido de mim pouco de amadurecimento que ainda não tinha” – relatou.

A uma distância de mais de sete mil quilômetros, Carla diz que sente saudade de casa, da família, da cidade e dos amigos. Ela afirma ainda que contou com o apoio de professores da UFF, que também auxiliaram na época em que ela estava custeando gastos pré-viagem.


Mais do SFn