Fotos: Arquivo/ Agência Brasil

Governo do Rio sanciona reajuste de profissionais de educação

Ciep-420-São-Fidélis[1]
Fotos: Arquivo
O reajuste salarial de 9% para os servidores da área de educação, no Rio de Janeiro, foi sancionado ontem (1º) pelo governo do estado. A partir desta terça-feira, o piso inicial do magistério, para uma carga horária de 30 horas semanais, que era de R$ 2.028,67, passa para R$ 2.211,25. A hora-aula será agora R$ 18,42. Antes era R$ 16,90.

De acordo com a Secretaria de Educação, o aumento vai atingir cerca de 150 mil funcionários públicos, incluindo animadores culturais, aposentados e pensionistas. Todos começarão a receber o reajuste nos contracheques de agosto, referente ao pagamento deste mês.

Ainda segundo a secretaria, os servidores têm direito a auxílio-transporte, que varia entre R$ 63 e R$ 120 por mês; auxílio-qualificação, que é um bônus anual de R$ 500; auxílio-alimentação no valor de R$ 160 mensais; e formação continuada para professores regentes de turma, em parceria com o Consórcio Cederj. A secretaria acrescentou que junto com o curso de formação, o professor recebe uma bolsa-auxílio de R$ 300 por mês.

O governo informou que agora a hora-aula na rede estadual do Rio de Janeiro ultrapassa em 57% a do piso nacional da categoria. Segundo o governo, o piso no Brasil, para 40 horas semanais, é R$ 1.697,00, o que corresponde a hora/aula de R$ 10,60.

CiepOs profissionais em educação decidiram, sexta-feira (27), suspender a greve nas redes municipal e estadual, que tinha começado no dia 12 de maio. A assembleia definiu ainda que na segunda-feira (7) haverá paralisação da rede municipal de educação. Estava previsto também um ato unificado em frente à prefeitura, para acompanhar a audiência do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ) com a Secretaria Municipal de Educação (SME), prevista para as 11h, mas a SME resolveu cancelar o encontro por causa da paralisação.

A coordenadora-geral do Sepe-RJ, Gesa Corrêa, disse que o sindicato, por causa do cancelamento, conseguiu marcar uma audiência no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), para quinta-feira (3), às 15h, com a presidenta do tribunal, desembargadora Leila Mariano, e representantes da SME. Na rede municipal ainda não houve acordo entre o sindicato e a secretaria sobre o reajuste e a pauta de reivindicações da categoria.

Segundo Geisa Corrêa, na audiência com a presidenta do TJRJ, os integrantes do sindicato também vão pedir esclarecimento para o cumprimento da promessa do governo estadual de não descontar os dias parados.

Fonte: Agência Brasil


Mais do SFn