Hospital Armando Vidal esclarece sua situação

Fotos: Manuela Escalla
Fotos: Manuela Escalla

O Hospital Armando Vidal vem sofrendo várias críticas em relação ao seu atendimento, como também relatos de que poderá fechar, acusações sobre negligência e falta de médicos, comentários constantemente enfatizados pela população.

Para esclarecer tais afirmações, o São Fidélis Notícias está iniciando uma série de duas reportagens, na procura de respostas. Nossa equipe procurou a direção do Hospital Armando Vidal, onde o diretor Alex Godoy, nos concedeu uma entrevista para falar sobre essas questões.

Em relação ao repasse de verbas, ele afirmou que a instituição recebeu recentemente um repasse da prefeitura referente ao mês de agosto, sendo que o contrato se encerrou no dia 31 de julho. Esta situação, segundo o diretor, é pela prefeitura estar tendo algumas dificuldades em arrecadação e por isso está dificultando o repasse, mas um contrato foi firmado  por mais um mês e ainda estão em negociação para o mês de setembro.

“Iremos fechar um contrato de provavelmente 12 meses para evitar problemas de repasse como acontece todo o ano, porque temos feito contratos muito curtos e estamos agora tentando prolongar. Eles acertaram o que tinha em aberto que era um valor de uma parte do pagamento de julho e o pagamento de agosto.” Afirmou Alex.

Alex Godoy

Sobre os comentários de que o hospital pode ser fechado, o diretor disse ter apenas ocorrido esse atraso de repasse que levou atrasos com fornecedores e até com os funcionários. “A diretoria do hospital, junto com o conselho deliberativo, que é composto pelos sócios, fizeram a notificação para prefeitura sobre a realidade dos recursos de urgência e emergência consequentes da falta de repasse, e a por sua vez a prefeitura, nos chamou para uma conversa, e nesse momento definimos a solução desse problema.”

Ainda enfatizou, que em momento algum, mesmo sem esse contrato do mês de agosto, e nesse mês de setembro que ainda não foi confirmado, deixarão de atender a população de São Fidélis, pela prioridade que o hospital têm com a saúde da população, mas sendo que também precisa haver a viabilidade de atendimento, na qualidade dos serviços e de materiais, recursos que dependem de verba para serem feitos, mas risco de fechar não existe nenhum, e todas as alas estão funcionando normalmente.

O diretor contou também, sobre outra negociação que estão elaborando com a prefeitura, que é da ampliação dos serviços que não são prestados pelo município, sendo terceirizados fora da região, algo que causa transtornos para os munícipes.

SAM_1075“Para serem feitos alguns exames, o paciente fidelense têm que encarar cinco horas dentro de uma van até o Rio de Janeiro, por exemplo, e nós estamos tentando viabilizar suporte, e isso depende bastante de um capital financeiro, para tentarmos trazer para dentro da cidade esses serviços, algo que seria bom para o hospital, em prestar esse serviço, e para os munícipes, evitando o transtorno do deslocamento.” Explicou ele.

Sobre a dificuldade de administrar o hospital, o diretor disse que o dinheiro esta concentrado na mão da prefeitura e inclusive do estado, e o repasse estar diminuindo e causando transtornos. O diretor disse ainda que muitos médicos pediram demissão por não ter como pagá-los, e desde a época que saiu a retificação do ministério público, permanecem sem médicos no quadro físico da sexta, do sábado e domingo.

SAM_1073“Estamos tentando compor isso, alguns médicos do próprio Armando Vidal vem atender, e alguns médicos de fora, só que precisamos de um quadro fixo e os munícipes também, mas acredito que com esse contrato e tudo sendo acertado no prazo correto, a direção do hospital conseguirá honrar a folha corretamente, e nós vamos ter uma oferta melhor de salário e poderemos restabelecer o quadro de médicos.” Relatou Alex.

Alex concluiu dizendo, que muitos deixaram o hospital por preferirem ganhar menos em outro município, do que não serem pagos em dia. Continuou explicando, que os médicos da casa ainda não estão conseguindo cobrir a emergência do hospital. Mas com ajuda da Prefeitura Municipal e também do Governo do Estado, poderão contratar médicos, começar novas melhorias e investir também em cursos de capacitação para os funcionários.

Nossa redação também procurou entrar em contato com o Secretário de Saúde do município, mas o mesmo não estava na secretaria. Ao pedirmos o número de telefone para localizarmos, a atendente disse não ter permissão para conceder essa informação.

Fotos: Vinnicius Cremonez


Mais do SFn