terça-feira , 22 outubro 2019

Incêndios destroem área equivalente a 394 hectares em Santa Maria Madalena Mudança no tempo ajudou no combate aos focos, que durou oito dias e envolveu mais de 180 pessoas e duas aeronaves

Mudança no tempo ajudou no combate aos focos, que durou oito dias e envolveu mais de 180 pessoas e duas aeronaves

Fotos: Nestor Lopes / Defesa Civil / SF Notícias

Foram extintos todos os focos de incêndio que destruíram uma área equivalente a mais de 300 campos de futebol em Santa Maria Madalena, na Região Serrana do Rio. Segundo a Defesa Civil do município, foram oito dias de combate às chamas que começaram às margens da RJ-146, o que reforça a hipótese de que o incêndio tenha sido criminoso. O mato seco e o vento contribuíram para o alastramento das chamas, que destruíram 394 hectares entre a Serra do Fumal e Serra da Rochela. O Corpo de Bombeiros chegou a usar dois helicópteros na operação de combate. Em um trecho do vídeo abaixo é possível ver o momento em que a aeronave capta água no Rio Grande com o bambi bucket para combater os focos de incêndio. (continua após o vídeo)

Ainda de acordo coma Defesa Civil, as equipes trabalharam no combate até o último sábado (21/09). Com a mudança do tempo no domingo, os focos foram debelados. Cerca de 180 pessoas – entre bombeiros, agentes da Defesa Civil, Guardas-Parque e voluntários – trabalharam no combate ao fogo.  “Houve queda na temperatura, ocorrência de chuva fraca e aumento da unidade relativa do ar. Portando as condições não estão favoráveis para incêndios florestais. Espero que ninguém coloque mais fogo em nenhum lugar. Mata Atlântica não pega fogo; colocam fogo!”, disse Manon Perdomo, engenheira florestal da Defesa Civil de Santa Maria Madalena.

Ao SF Notícias, o secretário de Defesa Civil de Madalena, Nelson Soares Rodrigues, disse que ao que tudo indica, o incêndio seria criminoso. As causas serão investigadas pela polícia. Segundo o ambientalista Arthur Soffiati (foto), as queimadas eliminam a vida microbiana do solo e também invertebrados que não podem fugir do fogo. Queimam plantas e animais maiores, contribuindo para a redução da biodiversidade e para o ressecamento. O fogo pode até mesmo contribuir para lançar espécies a risco de extinção. As queimadas liberam gases que, inalados pelas pessoas, podem causar problemas bronco-pulmonares, principalmente em pessoas que sofrem de asma e bronquite.

Mais do SFn