Janeiro termina com calor acima da média e déficit de chuva na região Sistema de alta pressão ganhou força no início do ano e reduziu as áreas de instabilidade, e consequentemente a nebulosidade e a frequência da chuva

Sistema de alta pressão ganhou força no início do ano e reduziu as áreas de instabilidade, e consequentemente a nebulosidade e a frequência da chuva

Foto: Reprodução/ Marcio Scarinni

O mês de janeiro surpreendeu muitos moradores da região em relação à falta de chuva e ao calor intenso. As temperaturas ficaram acima da média em diversas cidades, até mesmo na Região Serrana, e a chuva ficou abaixo do normal para esta época do ano.

No começo do ano, a Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS) ganhou força e reduziu as áreas de instabilidade, consequentemente a nebulosidade e a frequência da chuva na Região Sudeste, explica a meteorologista Josélia Pegorim, da Climatempo.

O Norte e Noroeste Fluminense são os mais afetados. Ao longo do mês os termômetros chegaram a marcar 42°C em São Fidélis, 41,3°C em Itaocara, 38.8°C em Cambuci, por exemplo. Em Miracema a máxima ficou 2°C acima da média, comparada a 2018. A sensação térmica também passou dos 40°C na cidade.

Na Serra, a estação em Salinas, Nova Friburgo, marcou mais de 30°C neste mês, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia. Ainda de acordo com o Inmet, Santa Maria Madalena, considerada a cidade com terceiro melhor clima do Brasil, registrou 33.8°C, com sensação térmica ainda maior.

Já em relação à chuva, segundo a Defesa Civil de Miracema a cidade fechou janeiro com apenas 56,8 mm de chuva, o equivalente a 20% do esperado para o mês todo. Em São Fidélis, a estação do CEMADEN, instalada na área Central, contabilizou apenas 4.8 mm neste mês. A estação do bairro Glória em Pádua marcou 50.2 mm e no Centro de Itaocara a estação registrou 36.4 mm. Cambuci teve 42.6 mm de chuva e Miracema 56.6 mm.

Na Serra os temporais nos fins de tarde foram mais constantes. Em Friburgo, na estação de Olaria foram registrados 45.4 mm; no Perissê foram 125.13 mm; na estação de Cardinot foram 89.49 mm. Em Cordeiro choveu 27.85 mm no Centro; Em Bom Jardim foram 26.6 mm também no Centro.

Na capital, a média das máximas na estação Santa Cruz, na zona oeste, entre o dia primeiro e 30 de janeiro foi de 38,1°C, segundo o Inmet. Isto faz de janeiro de 2019, o mês mais quente em 97 anos, pelas medições do órgão.

Mudança no tempo

Para o fim de semana a expectativa é de que uma frente fria mude o tempo pelo Estado do Rio a partir do domingo. Combinada com o ar extremamente quente, o choque térmico na atmosfera pode provocar temporais intensos. Com o ar polar, o tempo deve refrescar, amenizando o calorão na primeira semana de fevereiro.

Fonte: Climatempo; Inemt; CPTEC; CEMADEN


Mais do SFn