sexta-feira , 14 dezembro 2018

Megaoperação contra o tráfico, em Itaperuna, termina com 40 presos e menor apreendido Entre os presos está uma fisiculturista, que tem mais de 70 mil seguidores na internet. Ela seria fornecedora de drogas

Entre os presos está uma fisiculturista, que tem mais de 70 mil seguidores na internet. Ela seria fornecedora de drogas

A megaoperação realizada pela Polícia Civil em parceria com o Ministério Público e a Polícia Militar, em Itaperuna, terminou com um saldo de 40 presos e um adolescente apreendido. Dos 40 mandados cumpridos, 15 foram cumpridos em presídios de Bangu e de Magé, de onde os acusados continuam a exercer suas atividades no tráfico, mesmo presos.

Entre os presos está a fisiculturista Uiara Maria Silva, conhecida como Yara, que foi presa em um condomínio no Cachambi, na Zona Norte da capital fluminense. Com mais de 70 mil seguidores na internet, ela que teve um caso com o chefe da principal facção criminosa que atua em Itaperuna, é acusada de ser fornecedora de drogas.

continua após a imagem

Desde as primeiras horas desta terça-feira (04/12), policiais civis, militares e agentes Grupo de Apoio a Promotoria do Ministério Público foram para as ruas para cumprirem 47 mandados de prisão e 47 mandados de busca e apreensão. Foram 180 agentes envolvidos na “Operação Gólgota II”, que buscou desarticular uma facção criminosa.

Cães da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil, a CORE, também participaram da operação. Foram dois anos de investigações. A operação de ontem é um desdobramento da “Operação Gólgota I”, realizada pelo Ministério Público em 2014, também em Itaperuna.

A operação aconteceu em três bairros, mas o alvo principal foi o Morro do Castelo, conhecido como “Morro do Cristo”, onde fica a imagem do Cristo Redentor. Os policiais se reuniram no auditório de uma faculdade, de onde saíram para cumprir os mandados.

A terça-feira foi de várias operações espalhadas por 14 estados do Brasil, todas coordenadas pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNOC). As ações buscavam cumprir  266 mandados de prisão e 203 de busca e apreensão contra integrantes das facções criminosas.


Mais do SFn