segunda-feira , 18 dezembro 2017

Morador de Itaocara é exemplo de superação

vanderlei 5
Fotos: Vinnicius Cremonez / Arquivo Pessoal

Durante uma pesquisa com moradores de algumas cidades de nossa região, uma história de superação chamou a atenção de nossa equipe que se deslocou até o município de Itaocara, para conhecer de perto a vida de um atleta que é exemplo para muitos.

Ao chegar no município, fomos recebidos pelo radialista Djack Pinheiro, que acompanhou nossa equipe até uma residência simples, de uma família humilde e que nos recebeu com muita alegria, a pesar das lembranças que fazem parte desse lar.

vanderlei 3Subimos uma das escadarias do bairro Morro do Cruzeiro, até chegar na casa de Vanderlei Coelho Alves, que teve o rumo de sua vida mudada aos 23 anos de idade, por um diagnóstico errado de um médico.

Durante um jogo de futebol, Vanderlei foi atingido por um adversário, e na queda, acabou fraturando o fêmur, mas só descobriu, oito meses depois.

“O médico disse que era uma dor muscular, mas na verdade, a perna estava quebrada. Eu sentia muitas dores, e com a demora na descoberta do que realmente tinha acontecido, acabei perdendo uma das minhas pernas”, disse Vanderlei.

vanderlei 4Essa descoberta aconteceu em um outro jogo de futebol, no distrito de Portela, onde Vanderlei devido as dores, não jogou, mas durante o intervalo, pegou a bola e deu um chute, caindo no campo e não conseguiu se levantar. Naquele momento o osso que estava rachado, acabou quebrando de vez.

Vanderlei usou platina por um tempo, e por ficar muito tempo sem cuidar, pois não sabia que o osso estava quebrado, acabou gerando um câncer na perna, onde a única opção era amputar a mesma.

Aquele homem que dizia que iria morrer ao saber do câncer, hoje continua brilhando com a bola e servindo de exemplo para muitos, fazendo apresentações e palestras em escolas, como fez na semana passada em Niterói.

vanderlei 6“Quando ele tinha a duas pernas, jogava muito e eu que fazia parte do time adversário, ficava com medo e pedia aos companheiros de time que o marcasse, pois ele era perigoso e não podia ficar sozinho”. disse o radialista.

Vinte anos se passaram e essa fama de bom jogador ainda continua, mas o talento agora brilha na Seleção Brasileira de Futebol para Amputados, onde Vanderlei já fez diversos jogos, e se prepara para participar do Mundial em novembro deste ano no México.

vanderlei 7A seleção se reúne alguns dias antes das competições para poder fazer os treinamentos. Pela seleção Vanderlei foi campeão da Copa América e já disputou jogos na Argentina e Angola.

Vanderlei também já jogou em times de São Paulo e no Paraná, onde segundo ele, em 2010, ganhou o seu melhor troféu, sendo escolhido o melhor jogador do campeonato disputado naquele estado. O troféu fica exposto na sala de sua casa onde reside com suas duas filhas e esposa, e Vanderlei o segura com muito orgulho.

vanderlei 8Hoje o Vanderlei atua pela equipe da Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (ANDEF) que é uma organização não-governamental, fundada em 1981, onde retira o sustento de sua família.

Vanderlei falou da falta de apoio da prefeitura do município e da falta de uma associação na cidade. Ele deu o exemplo de Nova Friburgo onde um amigo que também é amputado, trabalha em um projeto da prefeitura para trazer de volta para sociedade, pessoas que acabam se acidentando e perdendo um de seus membros como eles.

vanderlei 10“No primeiro momento cai o chão, a pessoa fica desesperada e é nesse momento que ele vai até o hospital e conta a sua história para aquela pessoa, para fazer com que ela se sinta bem e veja que é possível viver assim”.

Aos 44 anos Vanderlei  guardar fotos e vídeos que servem de lembrança e de força para superar as dificuldades do dia a dia.

“Deus sabe de todas as coisas”, concluiu o emocionado Vanderlei.

 

vanderlei 1


Mais do SFn