segunda-feira , 18 dezembro 2017

Na Arca de Noé

unnamed (7)

Tive o privilégio de assistir ontem, no IMAX, a super produção americana “NOÉ” e sai completamente encantado com tudo que vi. Sempre achei que a melhor forma de evangelizar ou ensinar (pra quem não gosta do primeiro termo) alguma coisa, é através da arte. É muito mais fácil acreditar que existiram “Guardiões”, que por castigo foram transformados em Pedra e por sua vez ajudaram Noé a construir a Arca, do que um homem de gravada ou batina na minha frente “pregando” o que é certo ou errado. Com todo respeito, não estou julgando ninguém, nem desvalorizando nenhum trabalho, estou apenas dando um exemplo de como a coisa funciona para mim. Eu saí do filme com uma sensação boa, querendo ser uma pessoa melhor e com muita vontade de agradecer “ao criador”, o dom da vida e de tudo ao meu redor. Super válido, não?! Mesmo não sendo esse o objetivo do filme, me fez pensar muito sobre a vida e minhas atitudes.

unnamed (6)Filosofias e crenças a parte, o filme é um show de efeitos incríveis e atuações brilhantes, com destaque para o  Russell Crowe, Jennifer Connelly e Emma Watson. Com um roteiro super bem construído, o ponto principal do filme é a ambição e culpa do homem perante a um Deus, que acaba sendo punidor, por motivos óbvios, e como ele lida com suas decisões. Estamos falando de uma época e de uma narrativa que não nos permite ir muito além do que é o BEM e o MAL, não existe uma grande reflexão sobre o que leva os personagens a tomarem aquela determinada atitude, assim como muitos fanáticos religiosos, o registro pessoal de cada um é jogado fora, visto que apenas os bons e puros terão direito a salvação. Em apenas um momento, o personagem Matuzalém, vivido por Anthony Hopkins, levanta esse questionamento: “Mas quem sabe de fato o que é o bem ou mal?”

unnamed (5)

Lindo o trabalho de pesquisa do Roteirista e Diretor Darren Aronofsky, porque fez com que nos entregássemos a uma história bíblica, sem sair da adrenalina de um excelente filme de ação e com doses de fantasia na medida certa. Sensacional o momento em que Noé conta para sua família a história da criação do mundo: “No princípio, não havia nada…”, lá de gênesis, para entender sua linhagem, desde o pecado mortal. Acho ingênuo algumas pessoas criticarem a falta de fidelidade do roteiro com a fonte original, a bíblia, pelo simples fato de que Hollywood jamais vai garantir uma fidelidade literária que possa vir a comprometer seu senso de espetáculo, Noé, é acima de tudo um grande espetáculo. unnamed (3)

Um detalhe curioso, Darren Aronofsky, se declarou Ateu, talvez seja esse o segredo de um roteiro tão bem elaborado e completamente desapegado a qualquer tipo de obrigação de tentar nos enfiar sermões goela a baixo. É um filme de ficção e pronto. Aconselho a todos assistirem, religiosos ou não,  é uma obra magnifica que merece ser vista em 3D, tentem ver no Cinema, o impacto é outro!!!

Valeu meus queridos, até semana que vem!!!

unnamed (1)

 


Mais do SFn