quarta-feira , 16 agosto 2017

Nota de repudio contra violência

f_230762[1]

O cinegrafista Santiago Ilídio Andrade, de 49 anos, da TV Bandeirantes atingido por um rojão durante um protesto contra o aumento das passagens, teve morte cerebral diagnosticada nesta segunda-feira, 10 de fevereiro. Santiago que estava internado desde a última quinta, dia 6, sofreu afundamento do crânio e foi submetido a uma cirurgia de aproximadamente quatro horas. Desde então, estava em coma induzido no CTI da unidade e seu estado de saúde era considerado grave.

Cinegrafista há mais de 20 anos, Santiago trabalhava na Band havia 10. Na emissora, participou de diversas reportagens sobre as dificuldades enfrentadas pelos usuários de transporte público na cidade. A cobertura jornalística do tema – que motivou o início dos protestos no Rio em 2013, após o anúncio do reajuste da tarifa de ônibus – lhe rendeu dois prêmios jornalísticos de Mobilidade Urbana, em 2010 e 2012, ao lado do repórter Alexandre Tortoriello.

Santiago Andrade, cinegrafista atingido por rojão durante manifestaçãoDesde 2013, ele registrou para a TV Bandeirantes diversas manifestações na cidade e estava escalado para participar da cobertura jornalística da Copa do Mundo este ano. O profissional deixa uma filha e três enteados.

Assim como a Associação Brasileira de Imprensa(ABI), todos nos que trabalhamos na imprensa, repudiamos todos atos de violência contra jornalistas e cinegrafistas que estão diariamente nas ruas trabalhando para levar até você as informações do seu Município, Estado e Pais.

Manifestamos através dessa nota, a solidariedade com a família do repórter cinematográfico Santiago, e assim como todos os meios de comunicação e todos os jornalistas, exigimos a imediata apuração dos responsáveis pelos inadmissíveis ataques cujos alvos são frequentemente profissionais de imprensa no exercício de sua missão de informar a sociedade.

Segundo a ABI, no ano de 2013 foram contabilizados 114 casos de agressão a jornalistas durante manifestações em todo o Brasil. Desde o inicio de 2014, três profissionais de imprensa já sofreram ataques.

O São Fidélis Noticias também está na luta a favor de um Pais onde a imprensa tenha liberdade de expressão e liberdade para fazer o seu trabalho, que é levar a informação até a população, sem que haja qualquer tipo de violência contra jornalistas e suas equipes que estão nas ruas e contra meios de comunicações.

A Comissão Temática da Liberdade de Expressão do Conselho de Comunicação Social do Congresso recomendou, nesta segunda-feira, que seja realizada audiência pública sobre a violência contra profissionais da imprensa.

A comissão também vai recomendar ao conselho a aprovação de nota de repúdio às agressões contra jornalistas. As duas providências ainda precisam ser aprovadas pelo Conselho de Comunicação, que faz sua primeira reunião deste anos às 14h, no Senado.

As iniciativas foram motivadas pela morte do repórter cinematográfico da TV Bandeirantes Santiago Idílio Andrade, nesta manhã. O cinegrafista foi atingido por um rojão durante a cobertura de um protesto no Rio de Janeiro, no último dia 7.

Na reunião desta manhã, o conselheiro Celso Schroeder, presidente da Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj), defendeu a criação de um observatório para acompanhar todos os casos de violência contra os jornalistas do país. Além disso, ele pediu a federalização da investigação de crimes cometidos contra estes profissionai. Para Schroeder, isso evitaria que as investigações fossem contaminadas por influência políticas e empresarias locais.

Algumas informações citadas acima foram retiradas de uma texto publicado pela ABI.

 


Mais do SFn

SFn