quarta-feira , 22 novembro 2017

Obras contra enchentes serão feitas nas regiões Norte e Noroeste Fluminense

Arquivo
Arquivo

As obras para prevenir enchentes nas regiões Norte e Noroeste Fluminense terão início, nesta quinta-feira (05), no município de Santo Antônio de Pádua. As intervenções para mitigação das cheias dos rios Pomba e Muriaé beneficiarão cerca de 200 mil moradores de Italva, Laje do Muriaé, Santo Antônio de Pádua, Cardoso Moreira e Itaperuna.

As enchentes causam impactos sociais e ambientais e grandes prejuízos à economia dos municípios. Segundo dados de pesquisa realizada pela Firjan, só em janeiro de 2012, as chuvas causaram um prejuízo de R$ 30 milhões às empresas que atuam na região.

“Vamos, enfim, tirar esses projetos do papel e acabar de vez com as enchentes que causam há décadas tantos danos e sofrimento aos moradores da região”, afirmou o governador Luiz Fernando Pezão que visitará as cidades nesta quinta-feira (05).

Segundo o secretário Carlos Portinho, a população de Italva, Cardoso Moreira e Santo Antônio de Pádua começarão a sentir os efeitos das obras já no próximo verão (2015).

“Os moradores desses municípios não podem mais conviver com o pesadelo de novas enchentes quando chega o verão, e nós todos não podemos mais uma vez contar números de desabrigados, feridos e mortos – disse o secretário, ressaltando que, em 2012, as chuvas deixaram 19 mortos, mais de 12 mil desalojados e 3.340 desabrigados”.

As obras terão investimentos do Estado de R$ 653 milhões, e compreendem a construção de duas barragens e dois extravasores. Há também obras de derrocamento (retirada de pedras) e de desassoreamento (retirada de areia, lama), drenagem e urbanização.

As duas barragens para o controle de cheias e dois extravasores no Rio Muriaé serão construídos antes das cidades de Laje do Muriaé e de Itaperuna. Dentro dos limites urbanos serão executadas obras de derrocamento e desassoreamento, drenagem e urbanização ao longo do leito dos dois rios.

As barragens e os extravasores têm por finalidade desviar, em momentos de fortes chuvas, as águas excedentes do Rio Muriaé – que corta as cidades de Laje do Muriaé, Italva, Cardoso Moreira e Itaperuna – para fora dos seus limites urbanos. As águas excedentes serão desviadas para um canal, retornando para o leito do rio em trecho após as cidades.

Fonte: ASCOM

 


Mais do SFn