quarta-feira , 20 novembro 2019

Ovelha nasce com duas cabeças e é rejeitada pela mãe, em distrito de Cambuci Ela foi alimentada com uma mamadeira, mas acabou morrendo

Ela foi alimentada com uma mamadeira, mas acabou morrendo

Fotos: Arquivo Pessoal

Um fato inusitado chamou a atenção em uma propriedade rural no distrito de Cruzeiro, em Cambuci, nesta quinta-feira (16/05). Uma ovelha pariu dois filhotes, mas um deles, nasceu com duas cabeças.

“Eu acordei era 8 horas e desci para ver os carneiros, quando cheguei já tinha nascido. O branco de duas cabeças e o outro irmãozinho preto. E ela (ovelha) estava em volta só dele (do carneiro). Eu peguei a de duas cabeças e deixei perto e ela se afastou. Ela rejeitou” – relatou o dono dos animais, Luciano Cândido.

Continua após o vídeo

Luciano conta ainda que levou a ovelha de duas cabeças para casa e deu leite na mamadeira, mas ela acabou não resistindo e morreu por volta das 15h. Nos 10 anos que cria animais, ele afirma nunca ter visto algo do tipo.

O filhote está sendo mantido congelado pois será objeto de estudo de uma universidade de Campos. Segundo Luciano, um grupo irá até a propriedade buscá-lo nesta sexta (17).

De acordo com a veterinária Josiane Leitão Abreu, a má-formação fetal/genética é comum na ovinocultura, mas explica que a anomalia deste caso é conhecida como “diprosopia”, que é rara, e pode ser proveniente de causas infecciosas, ambientais, nutricionais e genéticas. “A diprosopia total não é muito comum. Neste caso a duplicidade é craniana e encefálica. Também tem pescoço separado – vértebras – por isso seria importante olhar outros órgãos” – esclarece.

A veterinária explica ainda que, normalmente, os órgãos internos nestes casos não costumam ser duplicados, mas que já houve relatos de apresentarem dois sexos. Como no vídeo as duas cabeças sugam a mamadeira, a veterinária afirma que ambas devem apresentar esôfago e traqueia. “Até planta tóxica em pasto pode causar isso. E essa espécie come tudo. No período de gestação aconselhamos não deixar a fêmea em pasto para evitar comer planta tóxica” – ressalta.

 

Mais do SFn