PMERJ: Uma corporação que pede socorro

Fotos: Arquivo
Fotos: Arquivo

A polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, vem passando uma das suas piores fases em seus mais de 200 anos de existência.  Uma instituição acostumada a atender pedidos de socorro, hoje clama por ele.

Segundo a Jornalista Roberta Trindade, mais de 256 Policias foram baleados só no estado do Rio em 2014 chegando a quase 80 mortos. Mesmo diante desse número assustador, as grandes mídias se omitem ou não dão importância ao que está acontecendo, o poder judiciário garante aos criminosos as penas mínimas de leis que já são fracas em seu rigor, os políticos parecem que estão mais preocupados em legislar para criminosos do que para a sociedade de bem e por fim a sociedade se mantém inerte e indiferente ao caos que vem se instalando em nosso estado e país.

Esta semana pelo menos 5 policias foram mortos na cidade do Rio de Janeiro e nenhuma autoridade se manifestou convincentemente sobre a onda de violência, mas em contra partida o Senador pelo estado do Rio, Marcelo Crivella teve seu projeto de lei aprovado pelo senado onde a pauta principal é limitar o uso de arma de fogo pelos policiais.

A inversão de valores em nossa sociedade tem sido o principal motor que acelera a degradação de toda nação. Marginais são vistos como vítimas do sistema enquanto policiais como opressores e com a proliferação desta filosofia, cada vez mais aumenta o distanciamento da polícia e da sociedade. Falta educação de qualidade para a sociedade e treinamento, condições de trabalho e principalmente apoio aos policiais para que cada vez mais empenhem melhor o seu papel.

Mas ainda solitário um grito de basta ecoa no ar. Policiais de todo o estado começam a se mobilizar e nas mídias sociais marcam uma manifestação para o dia 14 de Dezembro no Posto 6 da praia de Copacabana com o intuito de pedir socorro na esperança que alguém os ouçam e tudo volte para o seu lugar. Criminosos na cadeia e policiais nas ruas protegendo a sociedade de bem.

 


Mais do SFn