terça-feira , 20 novembro 2018

Polícia identifica suspeitos de picharem capela com suásticas nazistas em Friburgo Eles aparecem em imagens pichando frases ("Ele Não" e "Ele Jamais") contrárias ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro em outros pontos do distrito de São Pedro

Eles aparecem em imagens pichando frases ("Ele Não" e "Ele Jamais") contrárias ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro em outros pontos do distrito de São Pedro

Imagem: Polícia Civil

A Polícia Civil de Nova Friburgo identificou os três suspeitos de terem pichado suásticas nazistas na capela de São Pedro da Serra, sétimo distrito do município. O ato de vandalismo na mais antiga Igreja da cidade, que possui 150 anos, aconteceu no último domingo (14).

Dos três suspeitos, dois deles – um de 29 e outro de 34 anos – foram detidos e encaminhados para prestarem depoimento. Segundo a nota da Polícia Civil, o terceiro conseguiu fugir ao perceber a aproximação da viatura. Os dois detidos são moradores do mesmo distrito em que fica a Igreja alvo.

Eles foram identificados com a ajuda de moradores e por imagens de câmeras de monitoramento de imóveis vizinhos da Igreja, já que as câmeras da Capela não estavam funcionando no dia do ato de vandalismo. Nas imagens obtidas pela polícia o trio aparece pichando frases (“Ele Não” e “Ele Jamais”) contrárias ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) em muros próximos da Igreja.

De acordo com a polícia, há uma polarização em torno da campanha presidencial no distrito. “Como um membro católico havia se pronunciado a favor da campanha de Bolsonaro, os pichadores em razão de suas convicções políticas e com cunho preconceituoso, resolveram pichar os símbolos nazistas como forma de demonstrar insatisfação com a preferência pelo outro candidato, fato este comprovado através dos depoimentos dos suspeitos conduzidos à 151ª DP“, diz um trecho da nota divulgada pela Polícia.

O caso é investigado como crime de preconceito, previsto no Artigo 20§1º da Lei 7716/89, que tem pena de 2 a 5 anos de reclusão. As investigações continuam, assim como as buscas pelo terceiro suspeito.


Mais do SFn