sexta-feira , 9 dezembro 2016
asdsfdgthtutyu

Policial Militar cria projeto que pretende reescrever o futuro de crianças que se envolveram com o crime

wsedrftgyhedrftgy

Reescrever o futuro daqueles que se perderam no presente. Essa é a principal função de um projeto idealizado por um tenente da Polícia Militar e morador de São Fidélis. Apresentado no Fórum de Casimiro de Abreu na última quarta-feira, dia 20, o “Projeto Reescrevendo o futuro” tem como proposta a ressocialização do adolescente, recuperação e inserção do indivíduo preparando-o para o mercado de trabalho e diminuição considerável no índice de reincidências.

O objetivo do projeto é atuar em parceria direta com o Ministério Público, Poder e judiciário, e com o CREAS, que é o órgão que executa as medidas socioeducativas. Através dessa parceria, a polícia vai fornecer dados ao judiciário que possibilitaria a aplicação de medidas mais rígidas e específicas pra cada menor, como por exemplo os locais onde ele não poderá frequentar e o horário em que deverá estar em casa.

Depois de aplicada a medida, o CREAS, com o recurso da Polícia Militar e da Guarda Municipal do município irá fiscalizar se os menores estão descumprindo suas medidas. Durante o patrulhamento ostensivo os agentes terão fotos e informações de cada menor que possibilite essa fiscalização. Na escola não será diferente, o menor que faltar aula será buscado onde estiver e levado pra sala de aula. esdrftgyhujiAo mesmo tempo em que as medidas socioeducativas ficarem mais rígidas e menos impunes, o projeto irá funcionar proporcionando a esses menores um acesso ao esporte à cultura e a eventos recreativos, porém a educação moral e cívica, como hasteamento da bandeira e hino nacional fará parte da rotina desses meninos e meninas.

Em entrevista ao SF Notícias, o criador do projeto e morado de São Fidélis, Tenente Cristiano disse que a ideia é atender como ressocialização os menores que cumprem medidas socioeducativas, mas atender também de forma preventiva as demais crianças em vulnerabilidade município.

“Ele nasceu durante o meu trabalho em Miracema e agora em Casimiro de Abreu, através do comando do 32° BPM, está se tornando possível. Esse conjunto de atividades terá a duração de um ciclo, e durante ele será possível acompanhar de perto a vida do menor, o que no final do ciclo a polícia e o poder público emitirão um certificado que será o passaporte desse menor pro retorno a sua vida sócia. rdftgyhujikoEsse documento será difundido entre a cidade pra que ele seja respeitado e aceito como comprovante de que aquele garoto merece uma chance, e que o mercado de trabalho seja aberto para aqueles que possuem esse certificado. Com isso a polícia irá atuar de forma residual, fazendo um papel social atuando na recuperação do menor infrator e fazendo um ciclo que vai desde a apreensão até a reinserção dele na sociedade”.

Se aprovado, o projeto será realizado na Primeira Igreja Batista de Casimiro de Abreu, em uma estrutura com 45 salas climatizadas e ginásio. Para Comandante do 6° CPA, Lúcio Flavio Baracho de Sousa, o projeto tem condições favoráveis para sua implementação. “Terá todo apoio do 6° CPA dentro das limitações institucionais e funcionais”. Se aprovado, o projeto servirá de exemplo a ser seguido para reescrever o futuro de crianças e adolescentes em todo o Estado.

SFn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *