quinta-feira , 8 dezembro 2016
Fotos: Manuela Escalla /Arquivo
Fotos: Manuela Escalla /Arquivo

Produtores de leite de Italva participam de curso sobre inseminação artificial

Foto: Rio Rural/ Aline Proença
Fotos: Divulgação/ Rio Rural

Vários são os desafios enfrentados pelos pequenos pecuaristas para aumentar a produção de leite. O tamanho da propriedade, a seca, que diminui a quantidade de alimentação, e o baixo desempenho do gado doméstico, que se reproduz de forma espontânea, são obstáculos enfrentados pelos produtores. Para tentar mudar este quadro, os produtores de Italva participaram esta semana do curso sobre inseminação artificial, organizado por meio de parceria entre o Programa Rio Rural, a Emater-Rio e a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro-Rio).

Durante três dias, 17 produtores tiveram aulas teóricas e práticas na Fazenda Experimental, da Emater-Rio, em Italva. O curso, ministrado pelo pesquisador da Pesagro-Rio, Pedro Afonso Alves, se baseou no padrão estabelecido pela Associação Brasileira de Inseminação Artifical (ASBIA), que possui regras para manuseio do sêmen e manejo dos animais.

Através da inseminação artificial, as vacas podem receber  sêmen de touros de raças com alto desempenho produtivo, geralmente europeias, melhorando a genética do rebanho a baixo custo, pois as doses de sêmen podem ser encontradas no mercado a partir de R$ 20. O melhoramento genético é tão importante para a produção leiteira que 11% dos pecuaristas nacionais já investem em inseminação artificial, segundo dados da ASBIA.

Há ainda benefícios para saúde dos bovinos, já que no processo de reprodução natural , a vaca pode ser contaminada por doenças transmitidas por um touro e vice-versa. Além disso, pelo método natural, em quatro anos de vida reprodutiva, um touro pode gerar até quatrocentos filhotes. Com a inseminação, o número chega a cem mil.

Em janeiro deste ano, produtores de cinco microbacias de Italva receberam mil doses de sêmen de touros de raça. O curso prático sobre inseminação é mais uma atividade do projeto Intecral, parceria entre o Rio Rural e o governo alemão, que trabalha para dar acesso a boas práticas e desenvolver o interior fluminense de forma sustentável.

 

SFn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *