terça-feira , 22 outubro 2019

São Cosme e Damião: empresário mantém viva a tradição de distribuir doces em São Fidélis Já são mais de 25 anos fazendo a alegria de dezenas de crianças; Anualmente ele distribui 300 sacolinhas em vários bairros do município

Já são mais de 25 anos fazendo a alegria de dezenas de crianças; Anualmente ele distribui 300 sacolinhas em vários bairros do município

Fotos: SF Notícias

Nesta quinta-feira (26/09) para os católicos e na sexta (27) para as religiões afro-brasileiras, será celebrado o Dia de Cosme e Damião. Os dois irmãos gêmeos, viveram na Ásia Menor e eram médicos, ficando conhecidos por tratar os mais pobres sem cobrar as consultas. Por todo o Brasil, milhares de crianças irão às ruas em busca das sacolinhas de Cosme e Damião. Em São Fidélis não deve ser diferente, e um dos moradores que vem mantendo viva a tradição de distribuir doces é o José Carlos Coelho Melo, mais conhecido como Zé da Semaf. A ‘força tarefa’ para rechear os saquinhos com variadas guloseimas teve início nesta quarta (25) e a distribuição acontecerá na sexta.

Em entrevista ao SF Notícias, ele conta que distribui doces há mais de 25 anos. “Antes de vir para São Fidélis eu morava em Cachoeiras de Macacu e já fazia a distribuição de doces. Distribuo mais para manter a tradição, não é nada relacionado a aspecto religioso. Quando eu era criança, eu gostava de correr atrás de doce” – disse. Entre risos, ele relatou ainda um episódio da infância, quando faltou aula para pegar as sacolinhas. “Teve uma professora que marcou exatamente para o dia 27 uma peça pra ser apresentada no colégio e eu faltei. Minha mãe e a professora foram atrás de mim, me pegaram pela orelha e me levaram pro colégio. Fiquei chateado” – lembra. (Continua após a publicidade)

Neste ano serão novamente distribuídas 300 sacolinhas, mas o empresário não tem ponto fixo. “Eu saio pelas ruas vendo as crianças que estão pegando doces, abordo e pergunto se elas querem. Sei que tem a questão religiosa, que muitos pais proíbem, aí pergunto antes. Mas é comum fazer fila” – afirma. De carro, ele percorrerá vários bairros, como São Vicente, Recanto da Penha, Vila dos Coroados, Cristo Rei, entre outros. Ele afirma que nos últimos anos tem visto muitas pessoas adotando essa estratégia, que não tem mais visto muita distribuição nas casas. O empresário revela se alegrar com a felicidade das crianças e diz que para ele, esta é a data mais importante para os pequenos, depois do Dia das Crianças. Além de distribuir pela cidade, ele também reserva sacolinhas para os funcionários. José Carlos pede para que os motoristas e motociclistas redobrem a atenção no trânsito, devido ao grande número de crianças que estarão nas ruas.

Em uma loja de doces localizada na principal avenida da cidade, o funcionário Heitor Fadel disse acreditar que as vendas vão melhorar até sexta. “As vendas estão praticamente a mesma coisa do ano passado. Mas, pode melhorar. Essa semana está ficando bem movimentado, tá saindo bem” – disse. Segundo ele, entre os doces mais procurados para rechear as sacolinhas estão o suspiro, maria-mole, pipoca doce, mariola, bala, pirulito, cocada, doce de amendoim, entre outros. Ele avalia que, apesar da venda de doces para a data variar de um ano para outro, a tradição não está se perdendo.

Mais do SFn