segunda-feira , 26 agosto 2019

SES alerta para alto risco de nova epidemia por dengue no Estado em 2020 No 1º semestre do ano foram notificados 27.913 casos prováveis da doença, um aumento de 129,6% nos casos em comparação ao mesmo período do ano passado

No 1º semestre do ano foram notificados 27.913 casos prováveis da doença, um aumento de 129,6% nos casos em comparação ao mesmo período do ano passado

Através do mais recente Boletim Epidemiológico de arboviroses, a Secretaria de Estado de Saúde alertou para o para o alto risco de uma nova epidemia por dengue no estado no ano de 2020. Isto porque, no 1º semestre de 2019 foram notificados 27.913 casos prováveis da doença, um aumento de 129,6% nos casos em comparação ao mesmo período do ano passado. Segundo o boletim, o número registrado neste ano corresponde a uma incidência acumulada de 162,66 casos por 100 mil habitantes. Em 2018 foram notificados 12.157 com incidência de 70,8 casos por 100 mil habitantes.

A maioria dos casos prováveis de dengue concentraram-se na capital (48,98%) do estado, seguida pela região do Médio Paraíba (14,81%). As incidências mais elevadas ocorreram nas regiões da Baía de Ilha Grande, Noroeste e Médio Paraíba. Entre os casos prováveis, 59,6% (16.632) foram confirmados tanto por critério clínico epidemiológico quanto laboratorial e, 7,3% (2.035) estão confirmados somente pelo critério laboratorial. Até o momento não foram registrados óbitos pela doença.

A SES alerta para a necessidade de manutenção e intensificação do monitoramento semanal dos casos de dengue em cada município do estado, bem como para a coleta e envio de exames dos pacientes suspeitos até o 5º dia de início de sintomas, objetivando o aprimoramento das informações quanto ao sorotipo circulante da doença.

De acordo com o Boletim, em comparação ao ano passado, houve redução nos casos de dengue nos municípios de Aperibé, Cambuci, Italva, Itaocara e Santo Antônio de Pádua. Já o aumento no número de casos prováveis foi registrado em Bom Jesus do Itabapoana (20 x 141); Cardoso Moreira (7 x 23); Itaperuna (158 x 215); Laje do Muriaé (0 x 5); Miracema (7 x 693); Natividade (11 x 104); Porciúncula (2 x 398); São José de Uba (4 x 35) e Varre-Sai (0 x 24). No Norte Fluminense esse aumento foi registrado em Carapebus, Conceição de Macabu, Macaé, Quissamã, São Francisco de Itabapoana e São João da Barra. Os demais municípios como Campos e São Fidélis tiveram redução.

Na Serra Bom Jardim, Cantagalo, Carmo, Duas Barras, Guapimirim, Madalena, Petrópolis, São José do Vale do Rio Preto, São Sebastião do Alto e Teresópolis registram mais casos prováveis do que no ano passado. Cachoeiras de Macacu, Cordeiro, Nova Friburgo e Sumidouro tiveram queda no número. Já em Macuco e Trajano de Morais não houve registro da doença.


Mais do SFn