Vazamento de 4,9 mil litros de óleo na Bacia de Campos provoca mancha de 38 km de extensão no mar O produto vazou a partir de furo no casco de uma Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência

O produto vazou a partir de furo no casco de uma Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência

O vazamento estimado em 4.900 litros de petróleo no Campo de Espadarte, no sul da Bacia de Campos, ocorrido na manhã de quarta-feira (02/01), causou uma mancha de pelo menos 38 quilômetros de extensão por 20 metros de largura no mar. O produto vazou a partir de furo no casco de uma Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência (FPSO, na sigla em inglês) da Petrobras.

Para conter os danos ambientais em razão do vazamento, a Petrobras enviou três embarcações à área atingida para dispersão mecânica do óleo e aumentou o calado da plataforma, o que elevou a pressão de fora para dentro na estrutura, interrompendo o vazamento pelo furo na quinta-feira (03/01). Mergulhadores realizam o tamponamento do furo como medida definitiva. Há possibilidade de ocorrer desprendimento de óleo residual da estrutura da plataforma, de material impregnado no casco do navio e por diferença hidrostática em função da movimentação da embarcação.

Uma equipe de analistas do Ibama realiza vistoria na área atingida em avião equipado com sensores. Laudo técnico vai determinar a dimensão do dano ambiental e servirá de base para aplicação de sanções à Petrobras. “Até o momento não há indicativo de chegada de óleo nas praias da região e não foram avistados animais atingidos pelo vazamento”, disse a coordenadora-geral de Emergências Ambientais do Instituto, Fernanda Pirillo.

A FPSO Cidade do Rio de Janeiro está em fase de descomissionamento e sem produção desde julho de 2018, mas possui Licença de Operação (LO) válida expedida pelo Ibama. A fiscalização da segurança operacional da plataforma é atribuição da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e a manutenção da integridade da estrutura é de responsabilidade da Petrobras.

A Petrobras irá transportar o óleo restante nos tanques da FPSO Cidade do Rio de Janeiro para outros reservatórios intactos. O Ibama, em ação coordenada com a Marinha e a ANP, seguirá monitorando a área.

Fonte: Ibama


Mais do SFn