sexta-feira , 9 dezembro 2016
PLENÁRIO DA CÂMARA DE VEREADORES

Zoneamento ecológico econômico será discutido nas câmaras dos 92 municípios do Estado

sdfrgtyhufvgbhynuj
Fotos: Alerj

O presidente da Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) criada para acompanhar e fiscalizar a implementação do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE), deputado André Lazaroni (PMDB), vai levar os relatórios do trabalho de zoneamento para discussão nas câmaras de vereadores dos 92 municípios do estado.

O anúncio foi feito nesta terça-feira (19/04) durante audiência pública da comissão.O levantamento feito pelo consórcio Cobrape-Oikos, em parceria com a secretaria de Estado do Ambiente (SEA), leva em conta as características ambientais e potencialidades econômicas o estado. De acordo com o deputado, a política foi pensada para unir gestão ambiental e desenvolvimento econômico.

“O resultado dependerá do grau de participação em cada município. Hoje acho que a proposta está com uma visão do Executivo, precisamos aproximá-la da população. Por isso a participação das casas legislativas se faz fundamental”, explicou Lazaroni.

Segundo o coordenador executivo da Cobrape-Oikos, Carlos Verdini Clare, o ZEE é um instrumento de gestão teritorial, onde as potencialidades e fragilidades dos territórios são avaliadas. wsedrftgyhuji“É um projeto de pensar o desenvolvimento com os recursos naturais, sem eles não há desenvolvimento. O ZEE é um mapa do estado em conjunto com um painel de diretrizes. Fazemos uma análise do território e pensamos qual futuro se pretende para esse local “, disse.

Ainda de acordo com Carlos Verdini, os estudos foram inciados pela COPPE-UFRJ e estão sendo concluídos pelo consorcio Cobrape-Oikos. “Contamos com uma equipe multidisciplinar, com biólogos, geólogos, engenheiros e arquitetos. Dividimos o Rio em nove regiões hidrográficas e verificamos as vocações e características de cada região”, explica. Os relatórios de zoneamento foram elaborados com a participação das populações locais envolvidas, por meio de consultas públicas.

SFn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *